Gestão 4.0: entenda como praticá-la e ser um administrador de sucesso

Foto do autor

A gestão 4.0 já é uma realidade presente. Tanto que, de acordo com as estimativas para o cenário pós-pandemia, espera-se que os investimentos em soluções que viabilizem ou acelerem a transformação digital das empresas cresçam consideravelmente. 

Para além disso, inclusive, há quem diga que já estamos vivenciando os primeiros passos da “Quarta Revolução Industrial”. As principais características desse novo cenário são inovação, mobilidade e bem-estar. 

Dessa forma, há um movimento em que as organizações estão fortalecendo o seu compromisso com os pilares ambiental, social e de governança corporativa, o tão falado ‘ESG’, na busca pelo desenvolvimento sustentável.

Assim, administradores e empreendedores têm como um dos seus principais desafios conciliar a digitalização e a humanização

Entretanto, para conseguir colocar a gestão 4.0 em prática, é necessário ter uma visão holística do negócio e estar por dentro das novidades tecnológicas, de mercado e da própria sociedade.

Interessou? Então siga na leitura deste artigo para saber mais sobre o tema e descubra:

  • Quais tecnologias apoiam a gestão 4.0
  • Como elas se aplicam em diferentes setores econômicos
  • Gestão 4.0 para alta performance
  • Soluções para colocar a gestão 4.0 em prática

Principais tecnologias da gestão 4.0

Pessoa mexendo em computador com projeção 3D, representando a gestão 4.0
Gestão 4.0 é caracterizada pelo alto uso de soluções digitais, da conectividade ao big data

Atualmente, as pequenas e médias empresas podem ter fácil acesso a uma gama de soluções e serviços em tecnologia. Afinal, com a aceleração da inovação e do desenvolvimento de novas tecnologias, é natural que surjam alternativas para atender diferentes contextos, necessidades e orçamentos. 

Não por menos, já é possível contratar serviços tecnológicos em formatos personalizados, com projetos feitos sob medida para o seu negócio.

Dessa forma, para ter sucesso na implementação de soluções digitais na empresa, é essencial conhecer as particularidades dessa e quais as suas dores. 

Um dos equívocos comuns a muitos tomadores de decisões é não considerar o aspecto integrado da operação. Isso induz a contratação equivocada de produtos e serviços, gerando uma frustração.

Por outro lado, a gestão 4.0 atua por meio da visão em 360º da empresa. Assim, uma matriz de prioridade é a ferramenta ideal para suportar os gestores nesse processo. Vale destacar que as tecnologias que existem hoje são complementares nesse processo, ou seja, crucial mesmo é conhecer como elas podem ser aplicadas. 

Ao contrário do que o senso comum difunde, a inovação não é um conceito que fica restrito às grandes corporações ou às empresas especializadas nessas soluções. Há recursos simples que, quando implementados da forma certa, podem gerar transformações disruptivas e rentáveis para qualquer modelo de negócio.

A seguir, conheça mais sobre as principais tecnologias corporativas que são destaque no mercado.

Cloud Computing

Cloud Computing, ou Computação em Nuvem, é uma das inovações mais importantes do momento. Por meio dela, é possível o desenvolvimento de soluções dos mais diversos tipos, com mobilidade e segurança. Essa tecnologia contribuiu para democratizar o acesso à inovação, pois permitiu uma diminuição do custo de investimento.

Os tipos de Computação em Nuvem são:

  • SaaS (Software as a Service, ou Software como Serviço): nesse modelo, o provedor da nuvem oferece um software pronto para uso, vendendo-o a partir de uma assinatura recorrente, em vez da licença única e perpétua. Embora possa variar conforme o produto, a maioria dos SaaS oferece atualizações gratuitas, funcionando a partir de qualquer navegador ou dispositivo conectado à internet;
  • IaaS (Infrastructure as a Service, ou Infraestrutura como Serviço): Ao oferecer uma infraestrutura como serviço, o parceiro responsável pela Cloud geralmente gerencia o elemento físico da nuvem: os servidores. Nesse caso, ele geralmente é proprietário de um centro de dados, alugando parte desse datacenter para que o contratante utilize como desejar;
  • PaaS (Platform as a Service, ou Plataforma como Serviço): Quase um intermediário entre o SaaS e o IaaS, o PaaS compreende o oferecimento de uma plataforma para que o contratante, dentro dos limites estabelecidos pelo provedor da nuvem, utilize um determinado sistema operacional e ferramentas para desenvolver e manter um software próprio.

Esses modelos são responsáveis pelos programas que podem ser acessados de qualquer lugar, desde que se tenha um dispositivo com acesso à Internet. Antigamente, para usar um programa de computador era preciso comprar uma licença, além de instalá-lo. 

É tudo uma questão de flexibilidade

Assim, seguindo o movimento de digitalização das empresas, a economia também tem se adequado. Hoje, os empreendimentos de tecnologia oferecem serviços no modelo de assinatura. É uma facilidade para o cliente, seja B2B (Business to Business, ou Empresa para Empresa) ou B2C (Business to Customer, ou Empresa para Consumidor). 

Isso acontece porque a assinatura do produto ou serviço é mensal, facilitando o acesso de mais clientes, e reduzindo a exposição ao risco financeiro da empresa fornecedora.

Como consequência, também há a vantagem de se poder alterar o volume ou modelo do serviço contratado em poucos passos. É a chamada escalabilidade da nuvem, um dos seus principais atributos. 

Na prática, portanto, uma empresa que contrata determinado volume de armazenamento em nuvem, para dar um exemplo, pode ampliar ou reduzir esse serviço no momento em que quiser e com pouca burocracia, o que se traduz em capacidade de economizar.

Big Data

O conceito de Big Data diz respeito ao grande volume de dados que estão sendo gerados. Com o crescimento da globalização e da digitalização, estima-se que o volume de informação produzida no mundo dobre a cada 2 anos

Ademais, de acordo com um estudo do Statista, divulgado em junho de 2021, até o final do ano, a Terra deve gerar aproximadamente 3 vezes mais dados que em 2017.

O Big Data é uma das grandes tendências atuais pois, na gestão 4.0, um dos grandes desafios dos administradores é definir as métricas de sucesso do negócio. 

Assim, o alto volume de dados pode ser visto como uma barreira, mas também uma oportunidade. Definir quais informações são essenciais para o crescimento do negócio é a parte difícil.

Mas vale destacar que, hoje, os gestores podem trabalhar com recursos que antes não poderiam ser priorizados pela empresa. Isso é feito por meio de ferramentas de Business Intelligence, ou Inteligência do Negócio. 

Essa tecnologia usa a inteligência artificial para automatizar o tratamento do Big Data, gerando conhecimento relevante para apoiar decisões estratégicas. 

Redes 4G e 5G

A inovação na gestão 4.0 pode ser estimulada e potencializada por meio do uso de redes móveis de Internet. 

Assim, elas combatem boa parte das limitações enfrentadas pelas redes fixas, sobretudo ao permitir que os colaboradores tenham fácil acesso aos dados e aplicações da empresa por meio de um computador, de mesa ou portátil, e até pelo smartphone.

Juntamente ao Cloud Computing, a tecnologia 4G é responsável pelo surgimento e ampliação de produtos e serviços por meio de aplicativos. É inegável que essas soluções contribuíram para melhorar a nossa qualidade de vida e bem estar no dia a dia. 

Assim, elas trazem mais autonomia, mobilidade e praticidade para o usuário. Exemplos práticos de soluções assim são os carros por aplicativo, os apps de delivery e até mesmo a telemedicina

Agora, com a chegada da tecnologia 5G, essas soluções serão potencializadas e novas devem surgir. Isso porque a nova geração de rede móvel de Internet é cerca de 100 vezes mais rápida do que a anterior. A gestão 4.0 deve começar essa transformação conhecendo a aplicação do 4G, preparando a operação para a nova tecnologia em redes móveis. 

Internet das Coisas

Do inglês, Internet of Things (IoT), a Internet das Coisas é o futuro, mas também o presente. Hoje, ela já pode ser encontrada em algumas empresas, ou até mesmo como soluções para clientes, por meio do 4G.

Em resumo, a ideia dessa tecnologia é integrar espaços físicos com digitais, criando uma experiência integrada. Na prática, isso ocorre a partir da conexão em rede existente entre diferentes aparelhos (as coisas) que, juntas, automatizam processos, além de elevar a eficiência e a produtividade.

Do ponto de vista da gestão 4.0, a Internet das Coisas permite que os gestores controlem dispositivos de qualquer lugar, isso traz mais mobilidade para a operação. De acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria PwC, em 2019, dentre as empresas entrevistadas, 70% afirma que estavam com projetos de IoT ativos ou em desenvolvimento.

É o IoT que está por trás do conceito de ambientes inteligentes. Com a chegada do 5G, em breve, a disponibilidade de soluções IoT deve crescer nos próximos anos. Isso porque a nova rede móvel de Internet potencializa a conectividade. Além de ser mais rápida, tem uma conexão mais estável.


LEIA MAIS: A regra é não ter regras: a importância de uma gestão inovadora


Gestão 4.0 para alta performance

Além de reduzir custos e promover a produtividade, inovação tecnológica viabiliza novos modelos de negócios

A inovação é uma realidade e ela pode ser implementada em qualquer modelo de negócio. A diferença está na forma como isso será feito. Inclusive, nem mesmo as empresas do mesmo nicho aplicam a tecnologia da mesma forma. 

Isso depende de como estão consolidados os processos operacionais e, claro, do quanto os tomadores de decisões conhecem o próprio negócio e as tecnologias disponíveis no mercado. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Deloitte no segundo semestre de 2020, a previsão é que em 2022 os investimentos em inovação do setor de Tecnologia da Informação e Telecomunicações represente 5% do PIB (Produto Interno Bruto) do mundo. 

Dessa forma, as soluções em conectividade desempenharão, cada vez mais, um papel estratégico para o desenvolvimento econômico. Agora, continue a leitura para conhecer exemplos práticos de aplicação da gestão 4.0 nos principais setores econômicos.

Agronegócio

Segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), em 2020, o agronegócio representou cerca de 26% do nosso PIB. Com o avanço da tecnologia no campo, essa proporção deve aumentar.

A inovação no setor contribui para que nossos produtos sejam mais competitivos no mercado externo. Isso pode ser visto tanto pelo aumento da qualidade dos produtos, como pela diminuição do custo de produção que reflete no preço de venda. 

Hoje, a tecnologia no campo é aplicada tanto na agricultura como na criação de animais. Na produção agrícola ela pode ser vista por meio da biotecnologia, onde temos o desenvolvimento de sementes mais resistentes a pragas. 

Além disso, o maquinário agrícola conta com a tecnologia para potencializar a agricultura de precisão. Equipamentos como pulverizadores e tratores contam com a inteligência artificial para localização, com GPS (Global Positioning System, ou Geoposicionamento por Satélite), e uso inteligente de combustível.

Vale destacar que o Business Intelligence também tem sido aplicado no agronegócio por meio da análise preditiva. Assim, a gestão 4.0 está contribuindo para diminuir as perdas e potencializar a performance da produção. 

Indústria

O conceito de Indústria 4.0 é, de certa forma, recente. O termo foi criado em 2011, durante a Feira de Hannouver, na Alemanha. Inicialmente, ele integrava um projeto de desenvolvimento incentivado pelo governo alemão. O objetivo era aumentar a competitividade da indústria por meio da otimização de tecnologias.

Desde então, esse conceito ganhou o mundo e faz parte de um processo de transformação econômica. O Brasil também tem uma agenda para a Indústria 4.0. O objetivo é gerar valor para o setor por meio de tecnologias como:

  • Cloud Computing;
  • IoT;
  • Business Intelligence;
  • Automações;
  • Deep Learning (Aprendizado Profundo da Máquina);
  • Rede 5G

No setor da indústria, é mais fácil visualizar a aplicação da inteligência artificial. O conceito de conectividade e de objetos autônomos já podem ser vistos em algumas indústrias, por meio da tecnologia 4G. Eles devem ser ampliados em breve com a chegada do 5G, principalmente nas grandes metrópoles onde a tecnologia deve ser implementada até 2022.

Saúde e Bem-estar

A biotecnologia também tem sido aplicada no setor de Saúde e Bem-estar. O segmento da beleza, por exemplo, é um dos destaques: nos primeiros quatro meses de 2021, o setor apresentou um crescimento de 5,7%, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

A medicina tradicional também é potencializada constantemente com o avanço tecnológico. Assim, a telemedicina já é uma realidade, e a tendência é que amplie e otimize a forma de atuação. Com a chegada do 5G será possível realizar cirurgias a distância, inclusive robóticas.

Uma das frentes em destaque da aplicação prática da inovação na Medicina é a Nanotecnologia. Ela permite que a equipe médica tenha mais precisão no diagnóstico e tratamento de doenças. 

Outra novidade que está em estudo é o uso da impressão 3D. A expectativa é que nos próximos anos seja possível criar órgãos sintéticos. Hoje, células de cada órgão já são criadas, mas os cientistas ainda não conseguiram dar forma aos tecidos. Quando isso acontecer, transplantes de órgãos serão favorecidos. 

Um médico brasileiro da USP (Universidade de São Paulo), Gabriel Liguori, de 31 anos, está entre um dos principais pesquisadores sobre o tema no mundo. O jovem é CEO da TissueLabs, uma startup que desenvolve materiais para a impressão 3D de órgãos. A meta é conseguir o primeiro coração artificial do mundo.

Educação

O setor educacional se transformou bastante com a ampliação do acesso à Internet. Assim, a educação está se tornando cada vez mais democrática e flexível. Isso contribui para o aumento da profissionalização e reflete no desenvolvimento econômico do país. É interessante, pois, esse é um movimento que casa bastante com a digitalização de outros setores.

A tendência é que os profissionais estejam atuando cada vez mais em posições de análise e estratégia de mercado. Então, as operações manuais devem ser reduzidas com a automação de processos. 

Hoje, a gamificação no processo de aprendizagem tem sido aplicada por meio de recursos digitais, o que facilita a absorção de conhecimento. 

Além do mais, a inovação desse segmento deve ampliar o acesso à educação básica também. De acordo com o Governo, conforme comunicado divulgado em maio de 2021, o 5G vai levar internet móvel e de alta qualidade para 55 mil escolas.

Varejo

Segundo um estudo realizado pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) em 2021, o setor apresentou um crescimento de 87% de investimentos em Transformação Digital. Isso é reflexo de um movimento que já acontecia nos últimos anos, mas que foi impulsionado em decorrência da pandemia Covid-19.

No Varejo, a gestão 4.0 tem um grande potencial especial de aplicação na experiência do cliente. É possível criar jornadas integradas, com maior grau de satisfação e menor custo para o negócio. 

A cultura Data Driven (Guiada a Dados) é o segredo para conseguir desenvolver produtos e serviços personalizados, com mais penetração no mercado e menor exposição ao risco.

Além disso, a logística no varejo também foi favorecida. O uso da telemetria contribui para a redução de custos com a frota, e ainda otimiza a experiência do cliente ao reduzir o tempo de entrega.

O uso de ferramentas como a Matriz BCG e a Análise SWOT (Strengths, Weaknesses, Opportunities e Threats, ou Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças) são essenciais para o uso inteligente desses dados. Hoje, estamos em uma economia digital e é preciso saber aplicar as tecnologias e as técnicas certas para acertar o alvo.


BAIXE O INFOGRÁFICO: 


Conclusão

A gestão 4.0 já é uma realidade das empresas, sejam os pequenos negócios ou grandes corporações. O administrador deve buscar o investimento contínuo em informação: conhecer o que há de novo no mercado é essencial para aprimorar a qualidade da gestão do negócio.

Outro aspecto importante é a qualidade das parcerias firmadas. Para levar a inovação para a sua empresa é essencial que suas relações comerciais também reflitam esse pilar. 

Por isso, ao buscar por fornecedores de produtos e serviços de tecnologia é essencial validar o quanto esse possível parceiro pode contribuir para a Transformação Digital integrada do seu negócio.

A Vivo Empresas, por exemplo, conta com soluções em 360° quando o assunto é tecnologia. O seu negócio pode:

  • Reduzir custos com o PABX na Nuvem
  • Ter mais mobilidade e conectividade com o 4G 
  • Conquistar mais produtividade com o aluguel de equipamentos
  • Gerar mais credibilidade e confiança por meio de soluções de Cloud Computing

Se você gostou deste artigo sobre a gestão 4.0, aproveite e confira outros conteúdos especiais:

Foto do autor
Solicite um contato