Como a tecnologia apoia o bem-estar no trabalho e otimiza resultados

Foto do autor

Você já ouviu falar em Chief Happiness Office? Traduzindo, seria algo como um Diretor de Felicidade Corporativa. Esse profissional é o responsável por desenvolver estratégias para apoiar a saúde e o bem-estar no trabalho. É um conceito recente, mas que está ganhando mais força em decorrência das mudanças de hábitos causadas pela pandemia. 

O pilar de saúde e bem-estar já era uma das pautas em debate nas organizações devido ao perfil comportamental dos Millenials e da geração Z. Juntos, eles já correspondem a um contingente considerável da população brasileira e, consequentemente, da força de trabalho ativa no País. 

Diante desse cenário, há exemplos de empresas que ampliaram seus programas de saúde e bem-estar para atender aos desafios do momento.

Mas, afinal, como conseguir implementar um programa realmente efetivo nesse sentido? 

Seja em uma pequena, média ou grande organização, é preciso ter consciência de que, sobretudo agora, o mundo já opera uma economia digital. Dessa forma, é necessário saber como contar com o suporte da tecnologia, inclusive nessas horas.

Se você quer aprender como colocar isso em prática e fazer o seu negócio ser referência em gestão de pessoas, este post é para você! Neste artigo, saiba mais sobre o tema e confira:

  • Por que investir em bem-estar nas organizações?
  • Como o RH pode promover a saúde e o bem-estar?
  • Qual o papel dos líderes e gestores do negócio?
  • Como as tecnologias podem ser usadas para isso?
  • Como implementar a tecnologia a favor do bem-estar?

Por que investir em bem-estar no trabalho?

Mulher meditando em frente ao computador, representando o bem estar no trabalho
Funcionários mais felizes produzem mais e melhor, mas bem-estar no trabalho é muito mais do que isso; descubra

Segundo a pesquisa Tendências Globais de Capital Humano 2021, divulgada em março de 2021 pela Deloitte, 85% dos executivos entrevistados afirmam que saúde, bem-estar e segurança dos colaboradores é a principal preocupação durante a pandemia de Covid-19. 

Além disso, esse estudo aponta que 73% dos respondentes afirmam que as ações para saúde e bem-estar dos funcionários geraram reflexos positivos para a performance do negócio. Mas por que esses gestores têm essa percepção? Há variáveis de acordo com o perfil da empresa. 

No entanto, dois aspectos comuns merecem destaque: a humanização da relação entre empregador e colaborador, e o consequente fortalecimento do Employer Branding (Marca Empregadora).

Webinar | Garanta segurança digital para sua empresa_V1

Como o RH pode promover a saúde e o bem-estar?

Inclusive, segundo o estudo Millennial & Gen Z Survey 2021, também realizado pela consultoria Deloitte em junho de 2021, 26% dos Millenials, bem como 29% dos ‘Zs’ brasileiros entrevistados, acreditam que o conhecimento tecnológico dos profissionais é uma característica crítica para o sucesso das organizações. 

Além disso, nessa mesma pesquisa, apenas 31% dos respondentes do Brasil afirmaram que os empregadores tomaram medidas para apoiar o bem-estar mental dos colaboradores.

Para promover a saúde e a satisfação dos colaboradores, é essencial que o RH invista na consolidação de um programa específico para isso. 

Mas, caso ainda não seja possível uma ação mais robusta, há outras estratégias que a organização pode, e deve, implementar. A seguir, confira as principais:

Benefícios flexíveis

Flexibilidade é uma das qualidades que os talentos mais buscam ao escolher uma empresa para trabalhar. Segundo a pesquisa Flexibilidade no Mercado de Trabalho, feita em 2017 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mais de 70% dos entrevistados afirmam que gostariam de ter uma jornada mais flexível.

Esse é um dado anterior à pandemia, que já mostra a intensidade e o potencial dos benefícios flexíveis para engajar os colaboradores. Neste pacote, podemos citar alterações na jornada e a disponibilização de vales que podem ser usados de acordo com o interesse do colaborador.

Plano de saúde

O plano de saúde é um dos diferenciais que muitas empresas têm para atrair e reter talentos. Mas é preciso ter atenção à qualidade do serviço contratado. Muitas vezes, a porcentagem cobrada na coparticipação pode desestimular o colaborador nos cuidados com a saúde, assim como uma política de reembolsos ineficiente.

Assim, nesse sentido, é interessante gastar mais energia buscando uma negociação que gere um menor custo para os profissionais da sua empresa. Há organizações que sequer cobram a coparticipação, e sim uma taxa mensal fixa descontada no contracheque.

Aqui, vale destacar os planos de saúde que oferecem teleconsulta para os seus colaboradores. 

Essa é uma das facilidades proporcionadas pela tecnologia que, além de levarem mais comodidade para o atendimento médico, o que incentiva a busca por suporte quando há algo de errado com a saúde, torna os procedimentos mais acessíveis.

Estímulo à inclusão

Um dos aspectos que ainda estão em construção é o pilar de diversidade e inclusão. Ele é essencial para que a promoção da saúde e do bem-estar seja uma boa prática, de fato. Isso acontece porque cada pessoa tem desafios diferentes no dia a dia, nenhum corpo ou mente funciona da mesma forma.

Aqui, destacamos as condições de trabalho para profissionais PcD (Pessoa com Deficiência). Antes de abordá-los, sua empresa deve garantir que esses talentos tenham a ergonomia adequada para exercer as suas funções. 

Ou seja, não basta contratar: é preciso integrar os profissionais considerando suas particularidades, inclusive psicoemocionais.


LEIA MAIS: Tecnologia apoia o empreendedorismo LGBTQIA+: entenda a relação entre diversidade e inovação


Cultura de inovação

A tecnologia pode ser uma grande aliada dos colaboradores. Afinal, contribui para a redução do trabalho manual e possibilita que os profissionais fiquem em posições cada vez mais analíticas e estratégicas. 

Contudo, para poder usar as ferramentas tecnológicas a favor da saúde e do bem-estar no trabalho, é fundamental fomentar uma cultura de inovação no negócio, o que depende especialmente dos gestores e demais líderes da organização.

Nesse sentido, vale trazer para os ritos do dia a dia na empresa as metodologias ágeis, como Kanban e Lean Management (Gestão Enxuta). É preciso que cada colaborador tenha contato com os conceitos de inovação. Assim, os processos serão otimizados com viés tecnológico e considerando a experiência do usuário.

Qual o papel dos líderes e gestores do negócio?

Seja por sua capacidade de decidir o negócio como por seu papel de exemplo nas empresas, as lideranças têm um papel muito importante para a saúde e o bem-estar no trabalho. 

Assim, a postura desses líderes e influenciadores reflete diretamente no grau de felicidade da equipe. 

Ademais, é interessante aplicar uma Pesquisa de Clima Organizacional, que demonstrará os níveis de satisfação dos seus colaboradores, dizendo o que precisa melhorar e o que já está bom.

Inclusive, de acordo com a consultoria Michael Page, em dados divulgados no ano de 2019, 80% dos pedidos de desligamentos feitos pelos colaboradores são motivados por insatisfação com a liderança direta

Noutras palavras, os líderes são essenciais para definir o nível de felicidade dentro da empresa como um todo, uma vez que, dada a natureza de seu trabalho, impactam (positiva ou negativamente) a rotina de toda uma equipe.

Por essa razão, além da capacitação, os líderes devem praticar diariamente ações de troca mútua. Não por menos, esse tipo de feedback instantâneo e sincero é apontado por muitos gestores, como o fundador da Netflix, Reed Hastings, como um dos principais fatores de sucesso na cultura organizacional da companhia. 

Em resumo, é necessário conhecer bem seus liderados e como o formato dos processos estão impactando o seu dia a dia. Para tanto, a abertura para o diálogo é fundamental.

Dessa forma, é indicado estabelecer uma rotina de alinhamentos one-to-one (um para um), na qual o líder conversa individualmente com cada componente da equipe, e não só sobre temas diretamente relacionados ao trabalho.

Outro ponto interessante é o estímulo à colaboratividade. Hoje, o mercado oferece uma gama de soluções tecnológicas especificamente com foco na gestão estratégica de pessoas. 

A Robbyson, por exemplo, é uma plataforma que usa a inteligência de dados e a gamificação para tornar os processos de seleção e gestão de pessoas mais fluídos.

Então, a tecnologia pode ser usada diretamente no estímulo para o bem-estar no trabalho, ou de maneira indireta. Nesse caso, ela é aplicada diretamente no processo e gera reflexos positivos no dia a dia do usuário.

Como usar as tecnologias para o bem-estar no trabalho?

Soluções digitais podem apoiar um ambiente mais amigável aos colaboradores, nos mais diversos tipos de empresa

A promoção de políticas organizacionais positivas acontece em diversos níveis de processos. Além disso, não existem limitações, tais como o porte do negócio. A tecnologia é versátil e há soluções que podem ser adaptadas para qualquer contexto empresarial. Para tanto, é primordial conhecer bem os processos e as opções presentes no mercado. 

A seguir, veja alguns exemplos de como usar as soluções digitais para o bem-estar no trabalho.

Computação em Nuvem

Do inglês, Cloud Computing, a Computação em Nuvem é uma tecnologia que foi essencial para revolucionar o ambiente digital e a mobilidade corporativa. Ela permite que usemos softwares e aplicativos somente usando um dispositivo móvel com acesso à Internet.

Ter soluções que contemplem essa funcionalidade, como a contratação de soluções SaaS (Software as a Service, ou Software como Serviço), permite que seus colaboradores trabalhem de qualquer lugar. 

Pode parecer algo descolado da satisfação do colaborador mas, na prática, ter ferramentas de trabalho adequadas não só incrementam a produtividade como também tornam sua rotina menos desgastante.

Como se já não bastasse, a tecnologia da nuvem é daquelas que viabilizam outras inovações ainda mais disruptivas. O trabalho híbrido ou em home office, por exemplo, seria praticamente inviável se não fosse esse recurso.

Indiretamente, o cloud computing também possibilita uma infraestrutura de TI mais enxuta e, consequentemente, mais acessível, liberando capital para investir em outras áreas estratégicas da empresa, como a gestão de pessoas. 

Assim, trata-se de mais um recurso digital que viabiliza formatos e dinâmicas mais benéficas aos colaboradores. 

Dispositivos adequados

Para usar as soluções SaaS, é preciso ter dispositivos que, além de se conectarem à internet, entreguem toda a capacidade necessária para o trabalho ao qual se destinam. 

Aqui, portanto, um ponto de atenção é que muitos negócios deixam de investir na microinformática em decorrência do custo. 

Esse é um equívoco que acaba saindo mais caro para o negócio. Afinal, dispositivos obsoletos tendem a travar mais, são menos seguros e demoram para processar tarefas simples. 

No final das contas, todo esse conjunto gera ansiedade e estresse em quem está atuando na tarefa, impactando negativamente na qualidade do bem-estar no trabalho. Além disso, há reflexos também na experiência do cliente e, consequentemente, na receita do negócio.

Então, para garantir equipamentos sempre novos e com menor custo de aquisição, vale avaliar o aluguel de dispositivos de tecnologia, como notebooks e smartphones. Esse é um contrato de outsourcing (terceirização), em que o seu negócio aluga os computadores considerando um determinado tempo. E ele pode ser renovado.

Automação de processos

Com certeza, uma das principais formas de apoio ao bem-estar no trabalho que a tecnologia promove é a automação empresarial

Não por menos, de acordo com estudo realizado pela Salesforce em setembro de 2020, 53% dos líderes de TI entrevistados afirmam que a prática pode reduzir, em média, 50% dos custos operacionais de um setor. 

Ou seja, com o conhecimento profundo dos processos da sua empresa, somado às funcionalidades e potencialidades da digitalização, é possível obter resultados como o citado acima. 

Dessa forma, a tecnologia contribui para o bem-estar no trabalho, mas também para melhorar a performance financeira do seu negócio. Ademais, é possível obter redução de custos e aumento de faturamento, cujos reflexos podem alcançar até mesmo a experiência do consumidor.

Lembre que seus colaboradores são, em muitos casos, responsáveis pelo atendimento. E se estiverem sobrecarregados e insatisfeitos, tal fator certamente irá impactar negativamente o relacionamento com o cliente.


ASSISTA AO WEBINAR: A tendência do trabalho remoto e como a digitalização suporta esse modelo


E como implementar tudo isso?

Para colocar a tecnologia em prol do bem-estar no trabalho, o primeiro passo é ter profissionais capacitados e antenados com as novidades do mercado. Não existe uma “receita de bolo” para isso, afinal, as empresas são diferentes entre si. Mas vale destacar algumas boas práticas de gestão que são úteis em qualquer negócio. 

Defina uma estratégia

É preciso ter um plano de ação. Vale ter um planejamento estratégico para definir quais são as prioridades do seu negócio. Assim, é interessante realizar a transformação digital a favor do bem-estar no trabalho em etapas. Uma sugestão seria atuar em duas frentes: 

  1. Uma com foco em otimizar os processos de negócio, tornando o dia a dia dos colaboradores mais leve;
  2. Outra, com o objetivo de desenvolver um programa de saúde e bem-estar; ou seja, uma ação prática mais direta.

Tenha metas definidas

Quais são as métricas de sucesso nesse contexto? Em um país no qual, segundo a OMS, mais de 11,5 milhões de pessoas sofrem com depressão e cujas expectativas são de que, até 2030, essa seja a doença mais comum entre a população, é interessante avaliar essa proporção na empresa, mensurando sua redução a partir das medidas tomadas.

Assim, é interessante mapear quais são as doenças laborais que mais acontecem dentro da sua organização. Ter dados prévios é essencial para definir as métricas de sucesso do projeto de saúde e bem-estar no trabalho do seu negócio. 

Considere a escuta ativa

Para obter o melhor resultado possível, é primordial que os gestores escutem os colaboradores. Assim, seja na otimização dos processos ou na construção do programa de bem-estar no trabalho, dê abertura para o diálogo, mas não espere que essa iniciativa parta do profissional potencialmente afetado.

Convide os colaboradores para participarem dessa construção. A pesquisa de clima, citada antes, é uma ótima oportunidade para isso.

Faça parcerias inovadoras

É importante considerar a qualidade dos fornecedores de tecnologia no momento da contratação do serviço ou produto. Se a empresa prestadora não tiver foco no cliente, a implementação da inovação para o bem-estar no trabalho pode não alcançar o resultado esperado.

Por exemplo, quando pensamos na assinatura de softwares para automação de processos, é essencial que o fornecedor tenha uma cultura focada na experiência do usuário

Afinal, se os colaboradores da sua empresa, responsáveis pelos processos, não conseguirem operar a tecnologia, o resultado será inverso.

Da mesma forma, caso você esteja em busca de soluções inovadoras para melhorar as condições de saúde e bem-estar no trabalho, seja o seu negócio pequeno ou de grande porte, considere uma parceria que entenda não só da questão tecnológica, mas que o mundo é feito de pessoas e, portanto, de experiências.

Na Vivo Empresas, o propósito de #DigitalizarParaAproximar prioriza esse fator. Tanto que reúne um portfólio completo com soluções de Conectividade, Ferramentas de Colaboração, Big Data, IoT e outros recursos que, no fim da linha, proporcionam melhores resultados e uma gestão ágil. 

Muito embora setembro seja o mês nacional da conscientização sobre temas relativos à saúde mental, é possível começar a integração entre tecnologia e pessoas a qualquer momento. 

Gostou desse conteúdo? Então confira essa seleção de outros artigos que também pode interessar: 

Até logo!

Foto do autor
Solicite um contato