Logística para pequenas empresas: como inovar para crescer

Foto do autor

Em meio a um cenário de grandes mudanças econômicas e de hábitos de consumo, muitos empreendedores se viram forçados a repensar suas estratégias. Nesse sentido, a logística para pequenas empresas se tornou um desafio, já que os negócios que antes priorizavam as lojas físicas precisaram se adaptar às vendas online.

A princípio, o comércio eletrônico apresentou um caminho para contornar as dificuldades impostas pelo distanciamento social. Pequenas e médias empresas passaram por um período de adaptação e, enfim, puderam continuar suas atividades por meio de novos canais como sites, redes sociais e marketplaces.

Contudo, ao mesmo tempo em que há um leque de novas oportunidades trazido pelo mundo digital, existem também pontos de atenção para os gestores. Sendo assim, se por um lado as PMEs puderam aumentar a abrangência de seu negócio, por outro é preciso entender como atender essa nova demanda.

Além disso, com marcas de diferentes mercados recorrendo ao online, há uma alta competitividade nesse ambiente. Ali, os consumidores podem escolher entre milhares de lojas que oferecem produtos e serviços similares. Ou seja, elementos como preço do frete, tempo e qualidade de entrega se tornam ainda mais cruciais para fechar uma compra com sucesso. 

Em suma, para enfrentar esses novos obstáculos de logística para pequenas empresas é necessário inovar. Nesse momento, contar com soluções tecnológicas que suportem a operação de forma eficiente pode ajudar na produtividade e na otimização de recursos. 

Portanto, neste artigo, você verá:

  • O cenário de logística para PMEs no Brasil
  • Crescimento do delivery traz oportunidades e desafios
  • Como a tecnologia apoia a logística para pequenas empresas
  • IoT: uma grande aliada da logística para pequenas empresas
  • Gestão inteligente e otimização da operação

O cenário de logística para pequenas empresas no Brasil

logística para pequenas empresas
99% dos negócios no Brasil é pequena ou média empresa, segundo o Ministério da Economia

Empreender é o 4º maior sonho entre os brasileiros, de acordo com o Sebrae e o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP). E se essa jornada já era buscada por boa parte da população antes da crise, se tornou ainda mais comum durante ela. 

Afinal, muitas pessoas recorreram ao empreendedorismo, usando ideias inovadoras para se destacar e driblar os efeitos da crise. 

Não por menos, atualmente, 99% das empresas no país são pequenos negócios, sendo que, em 2020, surgiram 3,4 milhões de novas companhias, segundo o Ministério da Economia.

Contudo, tanto as PMEs recém-criadas quanto as mais antigas foram bastante impactadas durante a pandemia. A paralisação de atividades, bem como o crescimento do comércio online em detrimento das lojas físicas desencadearam uma série de mudanças.

Sendo assim, os pequenos e médios empreendimentos priorizaram investimentos em uma estrutura de comércio eletrônico, ampliando serviços como os de conectividade e de cloud. Pois estas foram tecnologias que lideraram o movimento de digitalização.

Operação e distribuição eficientes contribuem para sucesso 

Neste cenário, também ficou claro que sem uma boa organização da operação e distribuição de produtos, é muito difícil um empreendimento prosperar. Principalmente em um momento de recuperação econômica, como o atual, saber otimizar a logística para PMEs pode ser o diferencial para o sucesso.

Só para exemplificar, o faturamento de companhias que atuam em operação logística cresceu 23,8% em 2020, segundo a Associação Brasileira de Operadores Logísticos (ABOL) e a Fundação Dom Cabral.

Além disso, houve aumento de 2,3% na frota de comerciais leves em circulação, totalizando 5,6 milhões de veículos. Porém, o Relatório da Frota Circulante, elaborado pelo Sindipeças, também mostra que a idade média desses automóveis vem aumentando. Em 2020, a média foi de 8 anos e isso já é um sinal de alerta, que pode trazer preocupações em termos de segurança no trânsito. 


LEIA MAIS: Como a digitalização ajuda na organização de centros de distribuição, estoque e logística


Webinar | O que a transformação digital pode oferecer_V1

Crescimento do delivery traz oportunidades e desafios 

Uma das grandes transformações que aconteceram a partir de 2020, foi a ampliação das atividades do comércio eletrônico. Foram milhares de lojas online criadas e, mesmo quem nunca havia realizado uma compra via internet, acabou cedendo à tendência.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Ebit | Nielsen, foram 13 milhões de novos consumidores no e-commerce somente no ano passado. O levantamento também mostra que, entre os clientes que se disseram insatisfeitos (15,2%), uma das principais reclamações foi quanto ao prazo de entrega. Já o valor do frete aparece como um fator decisivo para o consumidor concluir a compra. 

Evidentemente, uma mudança desta magnitude, do físico para o online, também exige adaptações na logística para PMEs. Em especial, para as questões de estoque e entregas de produtos que estão diretamente relacionadas com a experiência do consumidor. 

Aliás, esta é uma das preocupações crescentes e atuais no Brasil. Segundo a IDC, só em 2021 cerca de US$1,4 bilhões devem ser investidos no país para melhorar a jornada do público.

Nesse sentido, os negócios podem escolher entre uma série de opções para construir a estratégia de distribuição mais alinhada às suas necessidades. Correios, intermediadora de entregas, transportadora e operadores logísticos são algumas das alternativas. 

Há também quem prefira acolher esse serviço em sua estrutura, fazendo a distribuição por meio de sua própria frota. Inclusive, essa decisão agrega valor à empresa, pois dá ao gestor um maior controle quanto aos prazos, qualidade e segurança da entrega.

Marketplace

Outra opção para quem entrou nos negócios online são os marketplaces. Esse ambiente digital voltado para o varejo permite que pequenas marcas se inscrevam e usem uma plataforma em comum para vender seus produtos. 

Desse modo, pode-se dizer que é uma alternativa que simplifica o e-commerce, uma vez que o serviço de entrega é definido, acompanhado e garantido pelo próprio marketplace

Um dos principais exemplos desse modelo no Brasil é o da Magazine Luiza, que disponibilizou essa parceria a PMEs durante a crise. Atualmente, a plataforma da companhia já está integrada a mais de 900 lojas.


LEIA MAIS: Empresas de delivery: vale a pena contratar ou criar o seu próprio sistema?


Como a tecnologia apoia a logística para pequenas empresas

Como mencionado anteriormente, foram muitas as mudanças pelas quais as PMEs passaram para atender às novas demandas do mercado. E em todos esses desafios, a tecnologia se mostrou presente para tornar as atividades mais eficientes e práticas. 

Em primeiro lugar, sem a possibilidade de atuar de forma remota ou ainda via e-commerce, o número de empresas que fecharam as portas seria ainda maior. Portanto, as soluções de conectividade podem ser consideradas as precursoras de todo o movimento de digitalização. 

Para um bom relacionamento com o cliente, o acesso à internet também é necessário. Ainda mais quando as PMEs adotam conceitos como o de omnicanalidade, que prevê atendimento em diversos canais. 

Foi através da conexão que a própria integração entre equipes dentro das empresas permaneceu mesmo em tempos de distanciamento social. Com acesso às ferramentas de colaboração, por exemplo, a comunicação dos times locais e remotos continuou sendo efetiva, bem como facilitou-se o compartilhamento de informações. 

Nesse sentido, os serviços em nuvem também foram fundamentais para a transformação digital dos negócios, por contribuir para a flexibilidade e agilidade do ambiente online. As opções “as a service” oferecidas, que permitem pagar pelo uso de um software ou infraestrutura, também ajudaram as PMEs em relação ao custo-benefício. 

A propósito, também é através da conexão à internet e da Cloud que se viabilizam outras soluções, como as de Internet das Coisas (ou IoT). 


LEIA MAIS: Varejo phygital: por que o futuro está na harmonização do físico com o digital


IoT: uma grande aliada da logística para PMEs

Logística para pequenas empresas
Soluções de IoT podem atender também às pequenas empresas, como é o caso do Vivo Frota Inteligente

Por meio de dispositivos conectados ou sensores instalados em veículos e máquinas, essa tecnologia permite um monitoramento próximo e em tempo real de todas as atividades. Como resultado, ainda gera dados para análise de eficiência de cada etapa.

Seja em uma microempresa ou uma multinacional, uma boa visibilidade do que acontece dentro do negócio é essencial para uma gestão certeira. Na logística para pequenas empresas, não é diferente e a IoT é uma grande parceira nesse acompanhamento.

Um bom exemplo de uso é no controle de estoque. As câmeras e sensores inteligentes conseguem automatizar a atividade, mostrando o que está em falta ou ainda verificando as condições de armazenamento.

Em termos práticos, a adoção de soluções como essa podem evitar casos como os de compras de produtos esgotados. Essas situações tendem causar frustração do cliente e podem até gerar avaliações negativas da empresa. 

Outra utilização bastante cotidiana desse recurso é no rastreamento de pedidos. Já vimos que a entrega é uma das grandes críticas dos consumidores, principalmente devido ao prazo. Todavia, a IoT permite uma atualização constante sobre a jornada do produto e o tempo estimado de entrega. 

Além disso, essa também é uma forma de trazer mais segurança ao negócio, que sabe a todo momento onde a mercadoria está. 

Por conta dessas e outras vantagens trazidas pela IoT, ela é uma tendência tecnológica nos mais diferentes mercados. Inclusive, as conexões M2M (Machine to Machine) vão somar 14,7 bilhões de interligações até 2023, segundo o relatório Cisco Annual Internet Report.


LEIA MAIS: IoT aplicada à gestão: frotas e equipes mais eficientes


Gestão inteligente e otimização da operação

Em resumo, a conectividade da Internet das Coisas é uma aliada poderosa tanto para realizar uma gestão inteligente quanto para otimizar a logística para pequenas empresas. Mas como uma solução de IoT pode ajudar o dia a dia das operações na prática?

Quando pensamos na entrega de produtos com uma frota própria, por exemplo, há uma série de questões que um empreendedor pode ter, tais como:

  • Esta é a rota mais indicada para ter segurança e economizar combustível?
  • Houve algum imprevisto no caminho?
  • A entrega acontecerá no tempo estimado?
  • Como o motorista está se portando na direção?
  • Estou fazendo o melhor uso dos meus ativos?

Hoje, já existem inovações tecnológicas que podem ajudar nesse gerenciamento eficaz do negócio. Na Vivo Empresas, há o Vivo Frota Inteligente, uma solução de IoT que permite a gestão digital dos veículos da companhia.

Então, esta tecnologia permite acompanhar o status do automóvel, bem como realizar seu rastreamento de localização. Porém, muito além de uma checagem do carro, é possível também monitorar em tempo real os condutores.

De olho nos condutores da sua frota

A solução traz recursos que identificam o perfil de cada motorista e os classificam baseado nas questões de eficiência e segurança. Por sua vez, esse tipo de análise pode ajudar gestores a manter uma equipe altamente qualificada. Afinal, se dá visibilidade quanto aos condutores que precisam de um novo treinamento ou uma reciclagem.

Dentro desse monitoramento, ainda pode-se detectar e prevenir infrações de excesso de velocidade, por meio de alertas sonoros. Como resultado, são evitados custos desnecessários e ainda há contribuição para um trânsito mais seguro. 

Segundo Leandro Rebouças, Gerente de Produtos da Vivo Empresas, o Vivo Frota Inteligente já ajudou muitas PMEs a otimizar os processos logísticos. 

Em média, constatamos que a nossa solução pode auxiliar companhias a terem uma economia de combustível de até 15%. Além disso, detectamos 8% de redução de custos operacionais e 3,5% de diminuição de tamanho de frota.”

Leandro Rebouças, Gerente de Produtos da Vivo Empresas

Conclusão

Em suma, é evidente que a crise afetou a todos os setores. Fatores como pontos de venda e atendimento fechados, trabalho remoto, ascensão do comércio online, entre outros, exigiram criatividade e flexibilidades dos empreendedores. 

O desafio é ainda maior para as pequenas e médias empresas que, em um momento tão conturbado, precisaram investir na adaptação da estrutura de negócio. A logística para pequenas empresas precisou ser repensada, considerando a migração da movimentação do físico para o digital.

Além disso, com a mudança nos hábitos do consumidor, em um curto período foi exigido um serviço de entrega de excelência. Ou seja, pequeno prazo de entrega e baixo preço de frete passaram a ser fatores primordiais para uma compra ser realizada.

Portanto, durante a pandemia, as companhias ganharam essa missão de conciliar todas essas transformações ao mesmo tempo e continuar oferecendo um bom serviço. E essa é uma tendência que deve perdurar mesmo no cenário pós-crise. 

Sendo assim, para conseguir não apenas manter o negócio, como crescer dentro do segmento, a tecnologia se torna uma das grandes parceiras das PMEs. Então, a conectividade e a nuvem são as bases de todo esse novo ambiente digital. 

Entretanto, são as soluções de IoT, como o Vivo Frota Inteligente, que levam a empresa a otimizar toda a logística da operação, aumentando a produtividade e reduzindo custos. 

Por fim, se você quer saber sobre outros benefícios da Internet das Coisas para o seu negócio, confira os artigos que separamos:

Conte com a gente e até a próxima! 

Foto do autor
Solicite um contato