Uso de agrotóxicos e sustentabilidade: a tecnologia em favor do campo

Foto do autor

O combate ao uso de agrotóxicos é uma pauta cada vez mais importante em todo mundo. Isso porque, com a importância do campo na economia brasileira, não é de se espantar que novas tendências no setor sejam adotadas muitas vezes de maneira pioneira no País, incluindo o uso da tecnologia para um cultivo mais sustentável e com menos impacto ao meio ambiente.

Nesse cenário, a inovação apoia os negócios no campo de maneira sustentável e otimiza o uso de defensivos agrícolas e fertilizantes, protegendo ecossistemas naturais. Quer saber mais sobre o assunto? Você vai ver neste artigo:

  • Brasil no campo e o uso de agrotóxicos
  • Agricultura digital
  • Mudanças climáticas: impacto de agrotóxicos na saúde e economia
  • IoT, Cloud e conectividade para melhorar fazendas

Brasil no campo e o uso de agrotóxicos

Uso de agrotóxicos ainda é necessário para controlar pragas, mas a tecnologia pode otimizar a aplicação dos pesticidas

O Brasil é o principal mercado de agrotóxicos altamente perigosos, segundo o levantamento feito em março de 2020 pela Unearthed, organização jornalística financiada pelo Greenpeace em parceria com a ONG Public Eye.

De acordo com a publicação, 41% dos principais produtos das gigantes agroquímicas contêm pelo menos um pesticida altamente perigoso. Ademais, a  venda desses insumos representa 35% das receitas das cinco maiores multinacionais que estão no país.

Já a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), alerta que, em vários países do mundo, defensivos agrícolas são aplicados de maneira desnecessária, e um grande número de pessoas envolvidas nesse processo acaba sendo intoxicado.

Como no Brasil o agronegócio corresponde a 21% do PIB, segundo dados do primeiro trimestre de 2020, é de interesse nacional a modernização das atividades no campo.

Webinar | Tendências na nuvem manter empresa protegida_V1

Agricultura digital: o uso da tecnologia no campo

Apesar desse cenário, o Brasil chamou a atenção da consultoria McKinsey, que, no início de 2020, entrevistou 750 fazendeiros do país, em 11 estados, para melhor entender o uso das tecnologias digitais na agricultura.

O levantamento mostra que a agricultura digital estabeleceu uma presença surpreendentemente forte e que a penetração online no setor é maior por aqui do que nos Estados Unidos.

De acordo com os dados da consultoria, 34% dos fazendeiros nacionais fazem compras online, comparado a apenas 26% nos Estados Unidos.

A pesquisa também mostra que:

  • 85% dos produtores locais usam o WhatsApp diariamente para questões relacionadas à fazenda;
  • 70% usam canais digitais diariamente para procurar informações sobre o campo;
  • 1/3 dos fazendeiros querem vender seus produtos online.

No entanto, existem três fatores que inibem uma adoção ainda maior do uso de tecnologias, que são:

Igualmente, as questões levantadas pela empresa refletem os dados da FAO, mencionados anteriormente. Segundo a instituição, sem equipamentos e o know-how apropriados, agricultores despreparados podem levar a perdas no campo e também ao uso indevido de agrotóxicos.

Em março de 2020, o G1 entrevistou Otávio Celidônio, coordenador do AgriHub, um espaço criado para a inovação e tecnologia no Mato Grosso. Na entrevista, Celidônio explicou as vantagens de utilizar a tecnologia no agronegócio. O especialista elencou os seguintes pontos:

  • Redução do tempo gasto com atividades;
  • Maior precisão nas operações agrícolas;
  • Redução de custos e aumento do lucro;
  • Melhor gestão agrícola da propriedade

LEIA MAIS: Como a Internet das Coisas ajuda a resolver problemas e a inovar no agronegócio


Mudanças climáticas: impacto de agrotóxicos na saúde e economia

Em um levantamento do Gartner, divulgado em outubro de 2020, a consultoria diz que, até 2025, as grandes companhias, assim como os seus provedores de serviço e parceiros, precisarão se adaptar às mudanças do clima, uma vez que isso será um desafio crítico no uso de tecnologias de ponta. 

É necessário que, desde já, produtores antecipem essas mudanças que afetarão a todos.  

Da mesma forma, em outro relatório, a McKinsey também alerta para a importância do tema

Por exemplo, a tecnologia digital e as biotecnologias podem melhorar a saúde do gado, exigindo menos animais produtores de metano para atender às necessidades mundiais de proteína”.

A empresa ainda diz que a Inteligência Artificial deve, por exemplo, ajudar a classificar melhor e reduzir o desperdício na hora de processar alimentos.

O mesmo vale para a agricultura, uma vez que, com mais investimento em pesquisa e equipamentos de ponta, é possível substituir aplicadores agrotóxicos por pilotos especializados em drones.

Com a substituição, é possível aplicar o material com mais rapidez, eficiência e, sobretudo, muito mais segurança.Inclusive, essa também é uma solução para evitar gastos desnecessários. 

Afinal, economiza-se tanto o combustível do avião que seria usado para a pulverização, substituindo-o por uma aeronave menor, não tripulada, quanto o próprio pesticida, que é aplicado de forma mais precisa.

IoT, Cloud e conectividade para melhorar os negócios no campo

Muito além da irrigação automática, tecnologia permite monitorar e controlar aspectos do campo com precisão

Pensando nesse panorama, a tecnologia surge como essencial para melhorar produtividade no campo e garantir, além de conectividade nas fazendas, cloud e Internet das Coisas.

Conectividade

A conectividade é o primeiro passo nesse processo de otimização. Muito mais que o simples acesso à internet, o conceito concentra-se na capacidade de desenvolver um ambiente de rede seguro, eficiente e moderno.

Mais que isso, a conectividade também compreende o suporte para sistemas avançados e tecnologia de ponta, todos atuando em prol da produtividade. 

Assim, pode se dizer que a conectividade é transformação digital de qualquer negócio, permitindo avanços não só na performance dos dispositivos usados, mas também dos próprios profissionais, uma vez que lhes serve como ferramenta essencial.

No campo, ela garante que máquinas estejam interligadas e façam suas operações com sincronia. 

Tanto que, de acordo com outro estudo realizado pela McKinsey, divulgado em outubro de 2020, uma boa implementação da conectividade no campo poderia elevar o PIB (Produto Interno Bruto) mundial em US$ 500 bilhões até 2030.

Cloud

Armazenar arquivos com a tecnologia do cloud computing (computação em nuvem) é uma ótima solução não apenas para melhorar os processos, mas também para garantir mobilidade e segurança a informações importantes.

Em termos práticos, é a partir da nuvem que se torna possível acessar informações de qualquer lugar e a qualquer momento, com toda a proteção necessária.

Do mesmo modo, graças à escalabilidade dessa tecnologia, o produtor pode contar também com a flexibilidade de aumentar ou diminuir a capacidade de contratada, caso seja necessário, como em momentos de picos de acesso. 

Conforme informações de novembro de 2020, o Gartner espera que, em 2021, os investimentos em cloud computing cresçam cerca de 18%, chegando a US$ 304,9 bilhões

No campo, ela permite que, mesmo a distância, seja possível acompanhar a evolução de uma plantação ou colheita, com informações sempre atualizadas, viabilizando uma tomada de decisão mais ágil e certeira. 

Assim, não é preciso ir muito longe para entender como ou por que esse pode ser um recurso extremamente valioso para os gestores.

Internet das Coisas

No agronegócio, câmeras e sensores se destacam como ferramentas capazes de mapear ambientes inteiros, gerando dados e insights em tempo real. 

Para muito além disso, no entanto, a Internet das Coisas viabiliza uma operação mais integrada e, consequentemente, eficiente, de todos os recursos digitais presentes no local. 

Isso porque, trabalhando em conjunto, as ferramentas não só permitem a automação de procedimentos, garantindo produtividade e economia, como também viabilizam uma análise centralizada de todos esses processos. 

Assim, com a ajuda de soluções do gênero, é possível extrair muito mais que força bruta dos equipamentos, utilizando-os, entre outras aplicações, para fornecer informações e estatísticas para a gestão. Veja alguns exemplos: 

Vivo Maquinário Inteligente

Trata-se de uma solução de telemetria avançada e completa para o gerenciamento de veículos pesados no campo. A partir de uma plataforma de gestão unificada, é possível fazer o controle e análise do desempenho e logística da frota, além dos gastos com combustível e manutenção.

Vivo Clima Inteligente

A partir das estações meteorológicas inteligentes dessa solução, é possível refinar a tomada de decisão sobre o melhor momento para as atividades de manejo, plantio e colheita. 

Isso porque, além de prover diversas informações sobre a condição climática na área da propriedade, a ferramenta permite armazenar e processar esses dados, transformando-os em insumos que permitem otimizar tanto os custos quanto os investimentos. 

Vivo Eficiência Energética

A partir da medição de dados conectados em rede, o Vivo Eficiência Energética permite controlar e reduzir gastos com energia. Isso porque, na prática, a ferramenta conta com funcionalidades de predição, automação, medição e consultoria acerca do consumo de eletricidade, além de ser acessível via web e aplicativo móvel.

Ademais, a partir dessas características, a solução ainda consegue reduzir a falha e a necessidade de reparos em equipamentos, quando ligados a problemas no fornecimento de energia elétrica.


LEIA MAIS: 5G na agroindústria: a nova geração de redes móveis irá revolucionar o trabalho de missão crítica


Conclusão

O combate ao uso de agrotóxicos se faz extremamente necessário, tanto quando se pensa na questão de saúde quanto na proteção ao meio ambiente. 

O Brasil, como pioneiro mundial no campo, precisa se aproveitar da tecnologia para ter uma produção mais eficiente e inteligente.

Nesse cenário, a Vivo Empresas pode ser parceira de uma digitalização mais sustentável no agro, fornecendo soluções completas em Cloud, Internet das Coisas, Conectividade, Segurança da Informação e mais.

Afinal, além de contribuírem com a produtividade dos negócios, essas tecnologias levam praticidade a quem atua no setor. 

Mais do que isso, provocam melhorias que muitas vezes se traduzem na economia de recursos, um fator chave para atingir uma produção mais ecológica. 

Gostou de saber sobre como a inovação tecnológica impacta o uso de agrotóxicos no campo? Então confira esses outros exemplos de como a digitalização estreita laços entre o agronegócio brasileiro e o desenvolvimento sustentável:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato