Restaurante 4.0: como adaptar seu negócio para o modelo híbrido

Foto do autor

Novidades tecnológicas para a indústria de bares e restaurantes já vinham sendo apresentadas e testadas há algum tempo. Em outras palavras, o restaurante 4.0, que alia dispositivos a processos operacionais para melhorar todo o sistema de produção, já dava seus primeiros passos antes do novo coronavírus aparecer. 

A pandemia, no entanto, mudou completamente o modo como esse e outros setores se relacionam com clientes. 

Nesse sentido, há diversos benefícios na adoção de dispositivos nesse ramo da economia. A digitalização pode ajudar estabelecimentos a melhorar sua gestão de insumos, além de proporcionar a organização de uma cozinha inteligente, além de experiências inovadoras aos consumidores.

À medida que os restaurantes e bares reabrem, a tecnologia também oferece, primordialmente, mais segurança na interação.

Assim, neste artigo, você vai ler sobre:

  • O que são restaurantes 4.0
  • Benefícios do restaurante 4.0
  • Quem são os clientes desses novos estabelecimentos
  • Tendências para bares e restaurantes 4.0
  • Conclusão

O que são restaurantes 4.0

O conceito de Indústria 4.0 (ou 4ª Revolução Industrial) reúne e introduz diversas mudanças tecnológicas nos tradicionais processos de manufatura. 

Do mesmo modo, o restaurante 4.0 é caracterizado pela adoção de softwares e dispositivos capazes de atender às demandas operacionais e de melhorar a interação com clientes. 

Sinônima de estabelecimento do futuro, essa ideia pode estar mais próxima do que se imagina. 

Em meio ao cenário pandêmico, começou-se a desenhar uma alternativa híbrida entre os comércios que já conhecíamos e novas ferramentas ou aplicações que os aproximaram dos consumidores em casa.

Há diversos benefícios em criar um ambiente ‘ciber-físico’. Os principais são o aumento nos resultados de vendas, de produtividade e, consequentemente, no aprimoramento da experiência do cliente.

A digitalização reduz custos operacionais, aumenta a eficiência dos processos e o engajamento dos funcionários, além de permitir que os pedidos sejam feitos exatamente como os fregueses desejam. 

Dispositivos e softwares possibilitam criar cozinhas inteligentes, com monitoramento de aparelhos e previsibilidade de problemas.

Ainda, o uso das tecnologias também permite capturar e processar uma quantidade relevante de dados. Isso abre caminho para fazer análises que proporcionem serviços cada vez mais alinhados às necessidades do consumidor.

Webinar | Computação em nuvem ajuda na área financeira_V1

Benefícios do restaurante 4.0

Tecnologia chega a restaurantes para melhorar experiência do consumidor

O autoatendimento é um bom exemplo de como a tecnologia ajuda a melhoras resultados financeiros, além de elevar a eficiência da operação e a satisfação do consumidor.

Esse sistema impacta aspectos como a mitigação de erro humano, que pode ser causado por barreiras de linguagem ou por falhas na comunicação, por exemplo. 

Ao mesmo tempo, aumenta o tíquete médio de cada compra. Clientes conseguem fazer pedidos mais rapidamente, sem precisar esperar para serem atendidos. Eles podem, ainda, customizar suas escolhas e até se interessar por outros itens que estejam no cardápio, incrementando a aquisição. 

Nesse sentido, uma comunicação visual chamativa é importante para despertar o interesse em outros produtos.

Simultaneamente, o autoatendimento também reduz custos e permite que os funcionários tenham mais tempo para se dedicar ao engajamento com os clientes.

Restaurantes e bares podem ainda usar cardápios interativos. Assim, o usuário pode escolher seus pratos diretamente ao sistema do estabelecimento, sem circular pelo ambiente ou esperar por um atendente.

Isso aumenta a velocidade de entrega dos pedidos à cozinha, por exemplo, e garante que o consumidor receba exatamente o que solicitou.

Há, ainda, softwares acessados por meio de QR Codes, que permitem aos usuários “folhear” digitalmente os cardápios, personalizando os pratos. Para isso, podem utilizar os próprios smartphonestablets exclusivos para cada mesa, ou, por fim, quiosques de atendimento. 

Seria algo parecido com o que já é feito por meio de aplicativos de entrega de comida mas, dessa vez, dentro dos restaurantes.


LEIA MAIS: Tecnologia acelera vendas em bares e restaurantes


Autonomia do começo ao fim no restaurante 4.0

O autoatendimento, no entanto, não se restringe apenas à hora de efetuar um pedido. Com mais alternativas na hora de pagar, é possível fornecer espaços em que o cliente possa fechar e acertar a conta sem depender de um atendente.

Pagar sem precisar esperar que tragam a conta é uma vantagem para consumidores

Existem dispositivos que podem ser acoplados às mesas para facilitar o pagamento das refeições, inclusive por dispositivos contactless. A dispensabilidade de um intermediário físico fez aumentar o uso de pagamentos por carteiras digitais, além do pagamento por aproximação.

Foi o que mostrou um levantamento feito pela Mastercard no fim de 2020. De janeiro a novembro do referido ano, 270 milhões de transações foram feitas por NFC (Near Field Communication). Isso representa um aumento de 197% do primeiro ao último mês pesquisado.

As possibilidades para o autoatendimento são muitas. De qualquer modo, a adoção da tecnologia não basta: é essencial treinar os colaboradores para que possam entender as novidades. Assim, estarão mais aptos a tirar eventuais dúvidas dos clientes, ajudando a promover uma experiência ainda melhor.

Quem são os clientes desses novos estabelecimentos

Pensando em experiências, bares e restaurantes 4.0 precisam considerar que o comportamento de seus consumidores está mudando. 

Há uma tendência em compartilhar nas redes sociais as atividades cotidianas – e os hábitos alimentares não ficam de fora delas. 

De acordo com a plataforma Metricool, postagens relacionadas a refeições estão entre as mais frequentes em plataformas como o Instagram. 

Hashtags relativas à comida são um dos principais tópicos na rede, que conta com pelo menos 1,2 bilhão de usuários em todo o mundo, segundo a empresa alemã de dados Statista.

Para acompanhar as tendências, já existem estabelecimentos criando experiências dignas de alto engajamento nas redes sociais. Elas utilizam, para isso, equipamentos e até luzes especiais para que o frequentador consiga registrar as melhores fotos.

Para além das redes sociais, os consumidores também esperam ser recebidos em espaços com mais segurança e autonomia. A velocidade e o mínimo contato físico favorecem a interação com os clientes.


LEIA MAIS: Tecnologia na cozinha: como a IoT ajuda nos negócios


Tendências em bares e restaurantes pós-Covid-19

Em pesquisas conduzidas antes e durante a pandemia da Covid-19, a consultoria Deloitte identificou, em um estudo divulgado em junho de 2020, três tendências para o setor de bares e restaurantes:

  • A primeira delas é a conveniência – que sempre foi importante, mas ganhou reforço nos últimos meses. A disponibilidade de serviços como drive-through, retirada e entrega a domicílio, seguirá em alta mesmo no pós-crise. 
  • O levantamento mostrou que 46% dos respondentes que passaram a fazer pedidos para retirar ou entregar não pretendem mudar seus novos costumes tão cedo
  • Além disso, 44% dos entrevistados afirmaram que aceitariam pagar por comidas pré-prontas para serem finalizadas em casa. 

Essas mudanças de comportamento podem motivar restaurantes a atualizarem seus espaços, oferecendo menos mesas para fazer refeições no local e mais pontos de retirada.

Outra tendência apontada pela consultoria é a de experiências digitais sem fricção. Ou seja: entre os consumidores consultados, 70% preferem fazer seus pedidos via meios digitais, como assistentes de voz e wearables, em vez de interagir com atendentes. 

Mais que isso, parecem estar dispostos a pagar 14% a mais, em média, pela chance de usar os dispositivos.

Essa inovação possibilitaria aos restaurantes lidar com dados relevantes de consumo de cada cliente, o que permitiria, por consequência, personalizar ofertas e promoções. E, deste modo, manter o interesse dos clientes no estabelecimento. 

Uma oportunidade para os negócios que reúnem informações sobre as preferências de cada cliente é a de criar programas de recompensa, aumentando a fidelidade com a marca.


LEIA MAIS: Delivery de comida: veja como operar na pandemia


Mais segurança nas interações físicas

A terceira tendência encontrada pela consultoria é a de transformação de hábitos, que acompanhou a ampliação do modelo de trabalho remoto e a preferência por lugares mais vazios. 

A pesquisa mostrou que 87% dos consumidores espera a limpeza adequada de superfícies após cada uso, enquanto 85% gostariam de ter visibilidade das práticas de higienização.

Nesse sentido, será importante que os restaurantes 4.0 demonstrem seu compromisso com a segurança e a saúde de clientes e funcionários. Uma das maneiras de fazer isso é utilizar sinalizações que elevem a sensação de segurança no local.

Por fim, com parte dos consumidores em um modelo home office, alguns restaurantes devem reformar seus menus para oferecer opções de pacotes em vez de refeições únicas.


LEIA MAIS: Tecnologia em restaurantes: como garantir o atendimento seguro


Tecnologias que apoiam a mudança para o restaurante 4.0

Pensando em todo esse cenário, uma série de tecnologias possibilitam a criação e a reformulação de bares e restaurantes para a era 4.0. 

Cloud

O ambiente em nuvem é desenhado para cada negócio – e se adapta fácil e rapidamente às novas necessidades de bares e restaurantes. Aliado a isso, o cloud computing permite o gerenciamento de todos os serviços em um único painel, tem fácil utilização e reduz os custos com hardwares.

Soluções em nuvem oferecem, ainda, ferramentas de colaboração, e dão autonomia para que os próprios usuários selecionem com quem desejam compartilhar projetos e arquivos.

IoT

Dispositivos da Internet das Coisas (ou IoT, do inglês Internet of Things) podem ser usados para criar cozinhas inteligentes. É possível conectar aparatos para lidar com o ciclo de cozimento dos alimentos, ou para avisar por quanto tempo cada refeição pode ser servida, além de notificar quando deve ser descartada.

Com essa tecnologia, também é possível compilar informações como a temperatura de refrigeradores ou de máquinas de fermentação de pães, por exemplo. Juntamente, os restaurantes 4.0 podem ter mais controle do estado de seu maquinário, antecipando problemas de manutenção.

A IoT também permite diversificar os métodos de pagamento, seja via wearables como smartwatches ou por aproximação, no caso de smartphones. Essas possibilidades vão ao encontro de boas práticas de distanciamento social.

Big Data

Não basta obter dados e informações de consumo dos usuários por meio das tecnologias; é preciso analisá-las para criar soluções que se encaixem nos padrões de comportamento dos clientes.

Serviços de Big Data ajudam a organizar e a compreender os dados e melhorar o processo de tomada de decisão. Auxiliam, ainda, a otimizar investimentos, gerar ações de vendas e marketing mais assertivas e antecipar a empresa às necessidades de mercado.

Equipamentos

Há uma série de equipamentos que podem ser usados para gerenciar aplicações ou para garantir a qualidade da conectividade dos espaços. 

As soluções envolvem compra, aluguel ou leasing de dispositivos e contam com serviços de manutenção e troca periódica por aparelhos mais modernos. 

Isso permite economizar em relação ao alto preço de hardwares somados à depreciação desses materiais.

Cibersegurança

Serviços de segurança da informação protegem o ambiente digital contra ataques, filtrando-os e bloqueando-os. Também respondem rapidamente a ameaças, que se intensificaram durante a pandemia.

Algumas soluções ajudam a prevenir o vazamento de dados, preocupação cada vez mais frequente das empresas que mantém informações de clientes em seus bancos de dados.

Esse ponto é especialmente sensível, dada a vulnerabilidade que hábitos como trabalhar de casa ou fazer mais compras on-line deflagrou. Até agosto de 2020, haviam sido registrados mais de 4 mil casos de ataques cibernéticos por dia, de acordo com estatísticas divulgadas pelo FBI em agosto de 2020.

Conectividade

Com a intensificação de aparelhos conectando bares e restaurantes 4.0 a seus clientes, é imprescindível garantir uma boa disponibilidade de rede e velocidade de conexão. Isso fará com que seu serviço esteja no ar sempre que o consumidor buscá-lo.

Dentro de um vasto portfólio de conectividade, existem soluções específicas de Wi-Fi seguro para pontos de venda, que capturam dados da conexão dos usuários e compartilham promoções ou realizam campanhas de comunicação. 

Esse serviço segmenta os perfis de consumidores, usa os dados compilados para criar ações e gerencia a interatividade em tempo real para prover decisões mais fundamentadas.


VEJA TAMBÉM: Como as cadeias de restaurantes podem apoiar suas franquias por meio da tecnologia


Conclusão

O setor de bares e restaurantes tem muitas oportunidades de utilizar a tecnologia a seu favor. E a pandemia acelerou o processo de transformação digital que o ramo vinha enfrentando. 

Com serviços mais personalizados e uma remodelação dos espaços físicos, esses estabelecimentos podem, então, apostar em novidades que melhorem a experiência do consumidor e atendam ainda mais suas necessidades.

Nesse cenário, dispositivos de IoT oferecem diferentes recursos para otimizar custos, cuidar de equipamentos.

Além deles, soluções em Cloud, Segurança, TI, Equipamentos, Big Data e Conectividade, como o Vivo Social Wi-Fi, apoiam a transformação do seu empreendimento rumo à Indústria 4.0.

Confira o portfólio da Vivo Empresas para desenhar uma solução que seja adequada ao seu negócio.

Enquanto isso, confira outros artigos que separamos para você:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato