5G e medicina de precisão: diagnósticos mais rápidos e precisos

Foto do autor

A tecnologia 5G promete transformar diversos setores ao longo dos anos. Entre eles, está o de medicina de precisão. De fato, o avanço na conectividade de dispositivos móveis pode ser muito benéfico para projetos que visam tornar o setor mais preciso, ágil e eficiente. 

Como a nova rede é capaz de atingir velocidades aproximadamente 100 vezes maiores que o 4G, com uma diminuição significativa na latência de ponta a ponta (o atraso entre envio e recebimento de informações), espera-se gerar valor econômico e social sem precedentes. 

Para explicar como o 5G pode contribuir para a medicina de precisão, neste artigo, são abordados os seguintes tópicos:

  • Chegada do 5G no mercado;
  • Impacto do 5G na medicina de precisão;
  • Benefícios para o setor da saúde;
  • Desafios do 5G na medicina.

Chegada do 5G no mercado

Em entrevista ao Bangkok Post, o vice-presidente da True Corporation, Dr. Vichaow Rakphongphairoj, afirmou que o 5G deve chegar ao mercado mais rapidamente que o antecessor, com alto índice de adesão em todo o mundo. O objetivo é que a tecnologia esteja presente em 30% dos planos de internet móvel em smartphones até 2025.

O impacto se dará na velocidade de conexão em aplicativos e downloads, aspectos que podem ser muito bem aproveitados na assistência médica. Afinal, na prática, isso gera menor tempo de latência ou resposta entre terminais. 

Segundo a revista Forbes, no artigo Why Healthcare Will Likely Be 5G’s Biggest Beneficiary, o 5G pode revolucionar as reações aos comandos do usuário: apenas 1–2 milissegundos, em comparação a cerca de 45–50 milissegundos do 4G.

Durante o Fórum Econômico Mundial, de julho de 2020, foi cogitada a antecipação do lançamento do 5G, devido ao crescimento desmedido da pandemia de covid-19. Mesmo que, em algumas indústrias, a demanda seja menor, ficou evidente que, na área médica, a necessidade só aumenta.

No mesmo evento, foi apontado como exemplo o uso de automação, inteligência artificial e realidade aumentada para ajudar a conter a crise sanitária. Afinal, com uma boa conectividade, mais pessoas podem ser atendidas a distância, sem disseminar vírus ou superlotar hospitais.

Webinar | Investir em tecnologia na saúde_V1

Impacto do 5G na medicina de precisão 

Pense em uma sala de cirurgia inteligente, com sensores e equipamentos interligados e informações sendo compartilhadas entre cirurgiões em diferentes locais, remotamente. Ao longo do processo cirúrgico, todos têm acesso aos sinais vitais do paciente em tempo real, por meio de uma rede segura.

Apesar de parecer um cenário futurista, não é. As inovações necessárias já estão disponíveis e, inclusive, existem projetos-piloto sendo desenvolvidos no Brasil, em parcerias entre grandes players dos setores de tecnologia e saúde.

Dessa forma, a expectativa para a chegada do 5G no Brasil é que a medicina de precisão tenha um avanço significativo no que diz respeito a diagnósticos ágeis e tratamentos precisos, sobretudo em razão do aumento da capacidade de transmissão de dados e da redução do tempo de resposta. 

Com isso, a tendência é que a tecnologia melhore a qualidade de toda a jornada do paciente. Isso envolve atenção primária, secundária e terciária, consultas médicas, exames, encaminhamento, internação, tratamento, eventuais cirurgias, reabilitação e desfecho clínico.

Benefícios para o setor da saúde

É bastante provável que o setor da saúde seja o mais beneficiado pela cobertura móvel 5G, não somente pelo aumento de velocidade das videochamadas de telemedicina, mas também devido à necessidade de adaptação das redes de transmissão. 

A seguir, são apresentadas as principais vantagens da nova tecnologia para a área médica.

Telecirurgias

As telecirurgias ainda são pouco realizadas em todo o mundo devido ao risco gerado pela instabilidade do sinal. Porém, com a chegada do 5G, a tendência é que o cenário mude e elas sejam cada vez mais vistas, com equipes médicas em diferentes centros de saúde.

Por exemplo: um paciente poderá passar por uma operação com uma equipe presencial em um hospital nos Estados Unidos, com o apoio técnico simultâneo de um médico brasileiro. E, mesmo estando no Brasil, esse profissional será capaz de operar um dispositivo a distância, como um foco cirúrgico ou uma câmera.

Diagnósticos precisos e rápidos

Com dados sendo captados, armazenados e analisados cada vez mais rápido, os diagnósticos serão ainda mais precisos e velozes, além das possibilidades de avanço na inteligência artificial.

Terapias voltadas para o tratamento de patologias neurológicas e de saúde mental também poderão ser aprimoradas por meio da realidade virtual (RV) e da realidade aumentada (RA).

Melhora na jornada do paciente

Sem dúvidas, a maior vantagem para o paciente é o aperfeiçoamento de toda a jornada integrada à Internet das Coisas (IoT), uma variante focada em medicina, chamada de IoMT (Internet of Medical Things).

Por meio de dispositivos conectados, como assistentes virtuais, smartwatches e outros wearables, será possível integrar milhares de aparelhos sem interferir na qualidade da transmissão.

Assim, a análise dos dados do indivíduo será rápida e integrada ao entendimento e ao detalhamento dos cuidados necessários. Esse será o objetivo de quaisquer decisões que precisem ser tomadas. 

Acesso a locais distantes

Todas as regiões do país vão passar por adaptações para receber a nova tecnologia. Com isso, a conexão à internet será ampliada, abrangendo locais de difícil acesso. E já existe um plano nacional para implantação da rede 5G em todo o Brasil.

Ou seja, é fato que essa mudança causará impacto direto no setor da medicina de precisão, possibilitando que os diagnósticos e os acompanhamentos sejam ainda mais velozes e acurados.

No entanto, quando o assunto é a implementação, a demora da instalação do 5G no Brasil é uma barreira, visto que existe uma necessidade de adaptação de equipamentos e processos para receber a nova tecnologia.

Desafios do 5G na medicina

Embora a chegada do 5G na medicina de precisão abra um enorme leque de dados, infraestrutura e aplicativos para empresas de saúde, também traz grandes desafios, que estão diretamente relacionados ao aumento da velocidade, da complexidade e da escala de fluxos de informações e de processos dos negócios. 

Diante desse cenário, os recursos de orquestração de fluxo de trabalho serão responsáveis por possibilitar a adoção das inovações por parte das organizações de saúde. Além disso, atuarão em: 

  • Automatização e formalização dos principais fluxos e processos de trabalho e negócios;
  • Monitoramento, gerenciamento e automatização de fluxos de trabalho em plataformas de software e computação em arquiteturas locais, em nuvem e híbridas;
  • Conexão de departamentos e facilitação do trabalho entre silos para simplificar e aumentar a velocidade;
  • Utilização da análise preditiva para identificar falhas ou atrasos em potencial antes que eles ocorram, acionando a correção de forma automática;
  • Monitoramento, organização e solução de problemas relacionados à troca de dados.

Desafios de segurança

Conforme a infraestrutura de saúde se torna ainda mais complexa, os dispositivos IoT se multiplicam e a integração aumenta em aplicativos de terceiros.

Dessa maneira, o pensamento das organizações sobre o gerenciamento de vulnerabilidade deve evoluir para que se torne mais proativo e efetivamente preventivo. 

Nesse nível de complexidade, os recursos manuais estarão muito abaixo da capacidade de proteção de sistemas e dados — o que é uma prioridade crítica devido aos riscos que ataques de ransomware representam para as instituições da área. Enquanto isso, estar em conformidade com regulamentações como LGPD, PCI DSS e HIPPA também continua sendo fundamental para a segurança.

Para enfrentar todos esses desafios, as organizações de saúde devem adotar estratégias nas quais a inteligência automatizada contribua para a análise, a classificação e a remediação de riscos, tendo como base o impacto que pode ser causado no negócio.

A correção e a conformidade automatizadas de Cloud, por exemplo, possibilitam que os provedores identifiquem e eliminem quaisquer lacunas de segurança. Isso evita que ocorram lapsos regulatórios em aplicativos e ambientes em nuvem que passam por mudanças constantemente.

Desafios de gerenciamento de custos e capacidade

À medida que as organizações fizerem uso do compartilhamento de dados 5G, deverão buscar híbridos de soluções online, além de locais para gerenciar o volume e atender aos picos de requisitos de capacidade. 

O Cloud oferece uma escalabilidade rápida e sem atrito, possibilitando que grandes quantidades de informações relacionadas à saúde sejam acomodadas. Além disso, a utilização de recursos de armazenamento e computação permite que as empresas se adaptem rapidamente, e com custos reduzidos, às novas necessidades.

De forma simultânea, o crescente uso da nuvem também pode gerar o aumento da complexidade do gerenciamento. Consequentemente, elevando os riscos de violações de segurança. Portanto, a fim de aproveitar ao máximo a elasticidade e a agilidade dessa tecnologia, as instituições de saúde devem ser capazes de:

  • Migrar dados com facilidade e segurança;
  • Otimizar a colocação de cargas de trabalho baseadas em nuvem para custo e desempenho;
  • Garantir a continuidade dos negócios;
  • Manter a privacidade das informações;
  • Assegurar a integridade dos dados. 

O gerenciamento automatizado da infraestrutura pode acelerar a migração, ao mesmo tempo que simplifica os processos contínuos das operações.

Nesse sentido, a Vivo Empresas dispõe de soluções completas para seu negócio, como conectividade, segurança digital, Cloud Computing e ferramentas de colaboração e produtividade. Além de apoiar as organizações com toda a estrutura necessária.

Gostou deste conteúdo? Então, continue lendo nossos artigos sobre a contribuição das inovações tecnológicas para o setor da saúde:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato