Open health: impactos e desafios dos dados abertos para a saúde

Foto do autor

Os dados abertos como estratégia para aumentar a transparência e oferecer melhores serviços são uma tendência mundial, aplicada em inúmeros setores. Tal abordagem já se faz presente na vertical de saúde, através do conceito de open health.

Com a saúde aberta, a ideia é que diferentes players do mercado tenham acesso autorizado às informações dos pacientes. Com isso, o histórico médico poderá ser visualizado em uma plataforma unificada, trazendo enormes ganhos ao atendimento, além de fomentar a concorrência entre os planos privados.

Por outro lado, o desenvolvimento desse conceito esbarra em questões técnicas, éticas e regulatórias. O Brasil está no início do processo de desenvolver um sistema unificado de dados, com muitas questões a serem solucionadas para que o compartilhamento das informações seja, de fato, seguro e benéfico aos usuários.

Apesar dos desafios, os dados abertos na saúde poderão acelerar o desenvolvimento tecnológico do setor, pois muitas ferramentas digitais necessitam da big data para entregar valor e resultados.

Neste artigo, você saberá mais sobre o open health e como esse conceito se relaciona com as tecnologias da medicina. Acompanhe o material pelos seguintes tópicos:

  • O que é o open health
  • Benefícios para a saúde
  • Panorama do open health no Brasil
  • Desafios para o open health
  • Como o open health se relaciona com a digitalização da saúde.

O que é o open health

Atualmente, os dados de saúde dos pacientes estão dispersos em diferentes sistemas de arquivos, sejam físicos ou digitais. Cada rede de hospitais, clínicas, postos de saúde, etc., possuem as próprias plataformas de controle da informação, o que dificulta bastante o compartilhamento do histórico médico entre as instituições.

O open health (saúde aberta) é uma iniciativa que visa justamente solucionar esse problema. A ideia é que, através da convergência da digitalização, haja um sistema informatizado e integrado de acesso aos dados médicos, de maneira que diferentes organizações possam, desde que haja o consentimento do usuário, visualizar as informações.

Uma das grandes inspirações desse movimento é o open banking (sistema financeiro aberto). Desenvolvida pelo Banco Central do Brasil, essa mudança viabilizou o compartilhamento de informações autorizadas dos clientes entre as instituições bancárias, trazendo mais competitividade ao mercado de serviços financeiros.

Entretanto, no caso da open health, os benefícios vão além de melhorar a relação comercial entre empresas e clientes. O objetivo principal é a otimização do atendimento em saúde, permitindo que os dados dos pacientes estejam acessíveis onde quer que eles se encontrem.

Em um caso de acidentes, por exemplo, a equipe de emergência pode consultar na plataforma digital se a pessoa tem alergia a algum medicamento. Outra aplicação seria no acompanhamento multidisciplinar, facilitando a atuação conjunta de médicos na resolução de um problema de saúde.

Dessa forma, o open health pode ser compreendido como uma estratégia para deixar os dados de saúde mais acessíveis, abertos e transparentes. Isso implica, também, no avanço de pesquisas médicas, visto que será muito fácil o acesso a informações que podem ajudar no desenvolvimento de novos tratamentos, métodos de diagnósticos, etc.

Webinar | Investir em tecnologia na saúde_V1

Benefícios para a saúde

Muito se especula sobre os impactos das tecnologias na saúde e quais as tendências vieram para ficar. Contudo, uma coisa é certa: a medicina do futuro será orientada por dados.

Isso significa que as informações previamente levantadas dos pacientes terão um peso cada vez maior na definição de diagnósticos e tratamentos. Mas, para essa abordagem ganhar escala, ações como o open health são fundamentais.

Afinal, a digitalização da empresa médica, a qual possibilita avanços importantes na área, como a telemedicina, ainda não é o suficiente. Para que os dados sejam utilizados em toda a potencialidade, é totalmente necessário que haja uma plataforma unificada e interoperável entre os diferentes players.

O open health surge para dar conta desse desafio, na intenção de gerar os seguintes benefícios:

Maior controle do histórico do paciente

Hoje em dia, laudos, resultados de exames e demais informações médicas estão dispersos em arquivos físicos e digitais de cada instituição, ou em posse do paciente. 

Com o open health, todas essas informações se tornam unificadas, evitando que informações importantes se percam ou se tornem inacessíveis.

Agilidade na triagem

Durante os atendimentos médicos, é muito comum que o paciente tenha que repetir as mesmas informações durante suas consultas – se já realizou cirurgias, se tem alergia a algum medicamento, etc. 

Com a saúde aberta, essas e outras informações poderão ser visualizadas pelo profissional sem a presença do paciente, agilizando os processos de triagem.

Decisões mais precisas

O objetivo do open health é que todos os dados médicos dos pacientes possam ser acessados a qualquer momento pelo profissional. 

Quanto mais informações, mais precisas se tornam as decisões, seja para diagnósticos, tratamentos ou durante o acompanhamento.

Aprimoramento da portabilidade

Outra prerrogativa do open health é tornar mais ágil a portabilidade de plano de saúde. Com maior transparência dos dados, é mais fácil para prestadores de serviços e clientes se conectarem para que haja a alteração dos contratos.

Aumento da concorrência entre planos de saúde

Assim, como ocorre com o open banking, a saúde aberta permite que diferentes empresas concorram pelo cliente. Com isso, a tendência é que organizações médicas privadas ofereçam melhores serviços, com preços mais acessíveis.

Incentivo à medicina de precisão

Uma saúde mais tecnológica, automatizada e orientada por dados, também chamada de medicina de previsão, depende completamente do histórico clínico do paciente. 

Com o compartilhamento de informações, ferramentas tecnológicas, como softwares de inteligência artificial, poderão ser alimentadas, contribuindo para tratamentos mais eficazes e personalizados.

Panorama do open health no Brasil

No Brasil, a intenção do poder público de aplicar o conceito do open health é bastante recente. Apesar de o país estar avançando na digitalização do seu sistema de saúde e ter promulgado, em 2018, a Lei do Prontuário Digital, foi apenas no ano passado que a saúde aberta entrou na pauta oficial do governo.

Em abril de 2022, o Ministério da Saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), entre outros órgãos, começaram a desenvolver, conforme apurado em reportagem do Infomoney, uma plataforma nacional de dados de saúde, incluindo um prontuário único para os pacientes.

Essa seria a primeira etapa da implantação do modelo no Brasil. Conforme o Relatório Final do Grupo de Trabalho do Open Health, do Ministério da Saúde, esse sistema possui dois focos: o assistencial (a unificação dos dados para melhorar o atendimento) e o financeiro, com o objetivo de aprimorar a portabilidade e incentivar a concorrência entre os planos de saúde.

A previsão inicial era que essa plataforma fosse lançada em novembro de 2022. Porém, essa meta não se concretizou e não há uma nova data para o início desse projeto.

Paralelamente a essa iniciativa, existe o Projeto de Lei (PL) 3814/2020, de autoria do senador Confúcio Moura. A proposta fala sobre a criação de um sistema informatizado que guarde os dados, ou seja, que o SUS crie e mantenha uma plataforma unificada sobre os dados de saúde dos pacientes.

Atualmente, o PL está tramitando na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) da Câmara dos Deputados, que realizou, em 13 de dezembro de 2022, uma Audiência Pública sobre o tema. A matéria ainda não tem data para ser votada na CSSF.

Desafios do open health

A saúde aberta é um conceito que, para funcionar na prática, depende de diferentes ações do poder público e da iniciativa privada. A proposta envolve questões regulatórias, discussões éticas, desafios tecnológicos, entre outros elementos complexos que precisam ser cuidadosamente analisados.

Unificação dos dados

Uma das principais dificuldades envolve a complexidade de organizar e integrar dados de níveis municipais, estaduais e federais, de serviços de saúde públicos e privados, em uma única plataforma. Isso porque cada ente federativo possui o próprio sistema, sendo necessária uma cooperação conjunta para a unificação das informações.

Privacidade

Quando se trata de compartilhamento de dados pessoais, a segurança da informação é outro ponto muito sensível. O open health precisa de mecanismos de proteção à privacidade do usuário, de maneira que apenas pessoas e instituições autorizadas tenham acesso.

Felizmente, o país já estabeleceu sua Lei Geral de Proteção dos Dados (LGPD),  a qual deve nortear as decisões para que a saúde aberta seja aplicada com os requisitos necessários à inviolabilidade dos dados dos pacientes.

Ética de mercado

Outro ponto delicado do open health são as questões éticas envolvidas na exposição de informações de saúde das pessoas. Uma preocupação são os planos de saúde, através do histórico do usuário, barrarem o acesso de pacientes de risco aos serviços.

Tal prática já é proibida pela Lei n° 9.656/98, que regulamentou o setor de saúde privada do país. Entretanto, a disponibilização dos dados cria um desafio a mais para que essa legislação seja cumprida.

Essas e outras dificuldades foram levantadas pelo diretor-executivo da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Antonio Britto, em entrevista ao portal itforum, em abril de 2022.

Para o especialista, o Brasil possui a tecnologia necessária para implantar o modelo open health, uma vez que a nação é referência mundial em inúmeros sistemas informatizados, como o bancário, o eleitoral e o da Receita Federal. 

Segundo o profissional, a dificuldade para que os dados de saúde do país sejam devidamente organizados em rede não é técnica.

Como o open health se relaciona com a digitalização da saúde

Sistematizar as informações de forma unificada para melhorar os serviços ao paciente é um passo muito importante para que a saúde 4.0 seja aplicada em toda a sua potencialidade. Afinal, as tecnologias digitais dependem essencialmente da coleta, da análise e do processamento de dados para elevar o grau de precisão e automatização do setor.

Uma inovação em pleno crescimento que atua com esse objetivo é a Internet das Coisas Médicas (IoMT). Tal ferramenta promove o monitoramento em tempo real de parâmetros de pacientes e equipamentos, trazendo grandes contribuições à prevenção de doenças e tratamentos personalizados.

Com a saúde aberta, tais dados poderiam ser disponibilizados em situações de emergência ou em pesquisas médicas, por exemplo, proporcionando benefícios a níveis pessoais e coletivos, com novos conhecimentos sendo adicionados à medicina.

O compartilhamento de informações também ajudaria no desenvolvimento das tecnologias de inteligência artificial. Isso porque os softwares dependem da enorme quantidade de dados para aprenderem a interpretar padrões que contribuem na leitura de exames, na prescrição de tratamentos, entre outros processos médicos.

Dessa forma, o open health pode acelerar o desenvolvimento de novos métodos de diagnósticos, medicamentos, controle de prevenção de doenças, etc, visto que fornece insumos para as tecnologias de análise da big data.

Essa evolução também depende do avanço da conectividade 5G, haja vista que a 5ª geração traz hiperconectividade aos dispositivos, dando suporte para que os dados sejam coletados e distribuídos em larga escala.

O futuro da saúde é digital

Ainda não é certo, pelas dificuldades mencionadas, se o open health será uma realidade em nível nacional e mundial em médio e curto prazo. No entanto, as tecnologias da medicina se desenvolvem paralelamente a esse processo, promovendo ferramentas de saúde e bem-estar cada vez mais sofisticadas.

É graças à evolução de recursos de TI que novidades como planos de saúde digitais estão chegando ao mercado, permitindo que a medicina a distância atinja mais pessoas e ofereça serviços de saúde preventiva bastante acessíveis.

Sua clínica médica também pode participar desse processo, entregando tecnologias que agregam valor ao negócio e melhoram o atendimento aos pacientes. Para isso, conte com as soluções digitais para saúde da Vivo Empresas.

Parceira estratégica de organizações de pequeno, médio e grande porte, a Vivo Empresas oferece desde internet de ultravelocidade a ferramentas de big data, habilitando a digitalização de ponta a ponta de sua clínica.

Para saber sobre mais tendências da saúde além do open health, acompanhe os demais artigos do Vivo Meu Negócio:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato