Tendências para 2022: a evolução da Internet das Coisas e como ela pode beneficiar sua empresa

Foto do autor

A evolução da Internet das Coisas permitiu a conexão entre pessoas, máquinas e equipamentos em escritórios, indústrias e até nos domicílios. Os aparelhos inteligentes, que eram algo visto como futurista, hoje são realidade ao redor do mundo e devem se expandir cada vez mais. 

Sendo assim, essa tecnologia também já faz parte da estratégia de muitos negócios, seja para trazer visibilidade, eficiência ou mais segurança aos processos. Em pouco tempo, e principalmente nos últimos dois anos, a IoT provou seu valor para diversos setores.

Na saúde, por exemplo, viabiliza o monitoramento remoto do paciente, diminuindo o potencial de contaminação nos hospitais ao mesmo tempo em que mantém um acompanhamento próximo. 

Já nas indústrias, é a IoT que torna o controle de máquinas a distância possível, além de impulsionar a automação de equipamentos.

Esses são só alguns casos atuais de destaque dessa tecnologia, mas para se planejar para o futuro é preciso entender quais os caminhos que se abrem para a IoT. Para isso, neste artigo você conhecerá as principais tendências da IoT para 2022 e ainda verá:

  • O mercado de IoT
  • O impacto do 5G para a tecnologia
  • O que é Internet of Behavior?
  • Edge Computing como aliado da IoT
  • Wide Data e Small Data
  • Segurança nos dispositivos conectados

O mercado e a evolução da Internet das Coisas

Imagem aproximada de mulher conferindo pulseira inteligente em alusão à Internet das Coisas
Internet das coisas médicas (IoMT) é uma das fortes tendências para 2022

Em 2022, a evolução da Internet das Coisas irá continuar a surpreender, principalmente com a chegada de uma tecnologia mais potente como o 5G. Inclusive, muitos negócios já acreditam nisso e estão investindo nessa tecnologia. 

Segundo um levantamento do Statista, de junho de 2020, a previsão de gastos mundiais na IoT para 2022 é de 1,1 trilhão de dólares. Ao mesmo tempo, o próprio valor de mercado da inovação irá subir.

Só para ilustrar, de 2021 a 2026, o segmento da Internet das Coisas Industrial (IIoT) terá uma taxa de crescimento composta (CAGR) de 6,7%. Na estimativa publicada no relatório da Markets and Markets, de julho de 2021, consta ainda que o setor vai valer 110,6 bilhões de dólares até 2026.

No Brasil, o impacto econômico anual de IoT deve ficar entre 50 e 200 bilhões de dólares em 2025. Os dados são de estudos do McKinsey Global Institute, publicados pelo InforChannel em agosto de 2021.

Em suma, grande parte da importância da IoT está relacionada aos dados que ela permite coletar, armazenar e analisar. Afinal, na era em que os dados são o novo petróleo, quem consegue tirar insights dessas informações pode se diferenciar dos concorrentes.

Nesse sentido, a perspectiva é de que, com a evolução da IoT, ainda mais dados entrarão em tráfego. Em 2025, o volume de informações gerado por conexões IoT estará em torno de 79,4 zettabytes, de acordo com publicação do Statista de maio de 2021.

Quem pode aproveitar a IoT em 2022?

Com a IoT sendo uma das tecnologias que guiará os negócios nessa década, a McKinsey divulgou um estudo focado nessas conexões, em novembro de 2021.

De acordo com a consultoria, boa parte do valor da IoT pode ser observado no ambiente corporativo. Alguns exemplos são os aplicados em fábricas, gerenciamento de produção agrícola e manutenção preditiva. 

Além disso, a área de saúde também deve ser significativa. Tanto é que segundo relatório da AllTheResearch, publicado em março de 2020, o mercado de IoMT — a IoT médica — deve atingir 254,2 bilhões de dólares em 2026.

Outros setores citados como criadores de valor de IoT foram o varejo, os ambientes corporativos, os veículos autônomos e até mesmo as cidades inteligentes. 

Em paralelo, apesar do maior foco em business-to-business (B2B), as aplicações business-to-consumer (B2C) também podem se destacar. Isso se dá especialmente por conta da acelerada adoção e da evolução da IoT dentro das residências brasileiras e de muitas outras nações.

Todavia, para compreender como utilizar esse importante recurso em prol do negócio, vale conhecer as principais tendências da IoT para 2022. Confira!

Webinar | Transformação digital é essencial_V1

A chegada do 5G

De modo geral, o 5G é uma conexão móvel mais rápida e efetiva que o 4G. Em muitos casos, o que acontecerá com a quinta geração é uma evolução do serviço que já era prestado pela antecessora.

Como exemplo, podemos citar o download de um vídeo de 25GB. No 4G, o processo pode levar mais de meia hora, enquanto no 5G estará completo em cerca de 20 segundos.

Porém, a realidade é que quando falamos dessa nova conexão não estamos apenas nos referindo ao incremento da taxa de transmissão e, consequentemente, da velocidade. De acordo com a Anatel, entre as principais mudanças estão

  • Baixa latência;
  • Alta densidade de conexões;
  • Eficiência espectral;
  • Eficiência energética dos equipamentos.

Na prática, algumas atividades de IoT só poderão de fato atingir seu potencial com a quinta geração. No caso dos carros autônomos, um tempo de resposta mais ágil, de 50 milissegundos no 4G para 1 milissegundo no 5G, pode prevenir um acidente.

Aliás, com a popularização da quinta geração e a evolução da IoT, o mercado de veículos inteligentes deve alcançar 556 bilhões de dólares em 2026. É o que prevê o Business Insider Intelligence em seu artigo sobre carros conectados, publicado em março de 2020.

Check-out e pagamentos de varejo, setores de logística e entrega e até serviços de emergência e segurança têm muito a se beneficiar do conjunto 5G e IoT.

Segundo o relatório da GSMA, “A Economia Móvel na América Latina 2020”, a região terá 15 milhões de conexões 5G até 2022. Além disso, haverá 1,2 bilhão de conexões IoT, impulsionadas principalmente pelo setor de negócios. 

O que é Internet of Behavior?

A Internet of Behavior (IoB) refere-se à coleta de dados (BI, Big Data, CDPs etc.) que oferecem informações importantes sobre comportamentos, interesses e preferências do cliente. A consultoria Gartner já citava a IoB como uma tendência de tecnologia digital para 2021 e ela deve permanecer estratégica em 2022. O conceito tem como base o uso de dados coletados, como a IoT, mas com o foco em influenciar comportamentos através de ciclos de feedback. 

Portanto, a IoB pode ser usada em escritórios para checar hábitos que causam problemas à segurança e promover treinamentos. Ou, ainda, na indústria alimentícia, por exemplo, em que consegue auxiliar no monitoramento de processos de higiene e produção.

Nesse cenário, o relatório 9 Future of Work Trends Post-COVID-19, publicado em abril de 2021, mostra que isso já está sendo colocado em prática. No documento, 16% dos empregadores afirmam já monitorar a produtividade e até o bem-estar de seus funcionários através de ferramentas tecnológicas.

Em suma, a IoB é uma evolução da IoT, no sentido de como ela é utilizada. No caso, a ideia é poder orientar o comportamento dentro de uma organização ou mesmo na forma como as organizações interagem com as pessoas. 

Edge Computing como aliada da IoT

Representação gráfica do edge computing
Muitas das tendências de IoT estão interligadas, como é o caso do 5G e do Edge Computing.

A princípio, a nova geração aumenta o número de conexões possíveis ao mesmo tempo. Ou seja, com ela se torna mais comum as coisas conectadas poderem se comunicar e tomar decisões simultaneamente, com uma grande quantidade de processamento de dados. 

Só para exemplificar, a IBM estima que um único local de fabricação pode gerar 2.200 terabytes de dados por mês. Com a chegada do 5G e a expansão da IoT, a tendência é que isso aumente.

Sobretudo, alguns tipos de operações exigem que o processamento de dados seja muito rápido para ter valor na tomada de decisão. A elevação de pressão ou de temperatura em uma máquina, por exemplo, pode se tornar um acidente em uma questão de segundos. 

Por conta disso, a computação de borda ou Edge Computing aparece como uma solução. Através dela, é possível processar as informações sem antes levá-las para a nuvem. Isso diminui não apenas o tempo de espera entre informações, mas ainda reduz o custo do envio de dados na Internet.

À medida que a transformação digital continua nas empresas, cada vez mais dados serão direcionados para a borda viabilizando o acesso rápido a insights. Segundo a declaração da ABES no IoT Business Forum 2021, as organizações gastarão mais de 16 bilhões de dólares em infraestrutura IoT Edge.

Análise de dados é essencial na evolução da Internet das Coisas

O Big Data é bastante utilizado juntamente à IoT. A tecnologia consiste em processar grandes volumes de informações, estruturadas e não estruturadas, para viabilizar insights aprimorados, tomada de decisões e automação de processos.

Esses dados, por sua vez, podem vir de apps, áudios, vídeos, web, redes sociais e também dos dispositivos conectados via IoT. 

Contudo, com o turbilhão de mudanças nos últimos anos, o Big Data está sendo redefinido. Assim, as técnicas de análise que irão entrar em destaque daqui para frente serão o Wide e o Small Data.

Wide e Small Data

Ao contrário do Big Data, esse conceito de “pequenos dados” foca na coleta de informações com mais precisão, além de focar em parâmetros mais importantes. Simplificando, aqui falamos sobre qualidade em vez de quantidade.

Segundo previsão do Gartner, divulgada pelo InforChannel em maio de 2021, 70% das organizações irão priorizar pesquisas de dados mais abrangentes até 2025. É aí que o Small Data aparece: uma abordagem que requer menos dados, porém mais precisa. 

Assim como o Small Data, o Wide Data é um avanço nas análises de dados. Entretanto, ela foca em informações mais abrangentes, coletadas de diversas fontes de dados estruturados ou não estruturados.

Em que essas técnicas podem ser utilizadas?

As novas técnicas de análise de dados serão úteis aos mais diversos mercados e andam lado a lado com a evolução da IoT. Pode-se destacar a sua utilização para melhoria da experiência do cliente, ajudando a personalização do atendimento, por exemplo.

Além disso, questões operacionais e de gestão como previsão de demanda, detecção de fraudes e automação de sistemas também se beneficiarão.

Vale ainda ressaltar que o uso dessa abordagem Wide-Small Data também desenvolve a Inteligência Artificial (AI). Esta, que é uma aliada essencial das soluções de IoT, torna-se menos dependente de volumes massivos de dados e mais eficiente.

Segurança dos dispositivos conectados

No início da expansão da conectividade para objetos e máquinas, a questão da segurança não era uma prioridade. Conforme houve a evolução da IoT, a preocupação com proteção das informações e redes também cresceu. 

Por isso, é natural que, conforme os dispositivos IoT se popularizam, se tornando mais acessíveis e presentes, a segurança deles se desenvolva. Aliás, a tendência é de que, em 2022, companhias e governos comecem a pressionar as empresas produtoras de equipamentos conectados por cibersegurança.

Afinal, se os aparelhos podem se conectar às redes, o ideal é que eles sejam registrados e autenticados de forma similar aos usuários humanos. Também é importante determinar o nível de acesso de cada equipamento.

Blockchain

O medo relacionado à segurança e privacidade de informações ainda é uma barreira à IoT. Porém, felizmente, já existem soluções que adicionam camadas de proteção e confiança à tecnologia e que tendem a crescer.   

Nesse sentido, o blockchain é bastante atraente, pois ele descentraliza as informações, dificultando ataques. Na prática, ele trabalha com pequenos volumes de dados encadeados e criptografados. Assim, não há o risco de uma invasão em um dos bancos de dados comprometer toda a base. 

No caso, se os hackers conseguirem violar uma cadeia, eles irão sequestrar uma quantidade mínima de dados antes que a violação de segurança seja reconhecida.

Privacidade também é um tema importante

É fundamental reforçar que a privacidade de dados será uma grande tendência nessa década. Mas também nesse sentido, o blockchain é uma saída interessante para empresas. 

Inclusive, essa área ainda se desenvolverá muito no próximo ano, mas há algumas iniciativas que já trabalham com esse propósito. Como exemplo, já existem startups que utilizam essa tecnologia a fim de construir redes e aplicativos descentralizados. 

Essa é uma forma de seguir com os benefícios que os dispositivos IoT trazem tanto no âmbito pessoal quanto profissional, mas manter a propriedade de sua privacidade. Em resumo, segurança e privacidade são parte primordial das novas etapas de evolução da IoT.

Conclusão

Atualmente, a IoT tem funções fundamentais nas indústrias, escritórios e mesmo no campo. O monitoramento da produção, ativos e equipes em tempo real e de qualquer lugar é chamativo para os negócios que buscam melhor visibilidade.

Na realidade, é possível dizer que a IoT ajudou a gestão de negócio a avançar de maneira nunca vista. Contudo, o futuro é promissor, principalmente considerando que a limitação de conectividade, que era uma barreira à IoT, está com os dias contados.

Uma verdadeira evolução da IoT acontecerá nos próximos anos. É preciso estar preparado para aproveitar as oportunidades.

A Vivo Empresas está atenta às tendências tecnológicas, inclusive de IoT, para os próximos anos, e possui um portfólio completo para ajudar na transformação digital de empresas. Além disso, as soluções tecnológicas oferecidas são escaláveis e podem ser determinantes para o sucesso futuro da companhia. 

Para se aprofundar em como a IoT pode ajudar hoje no seu negócio, separamos artigos que trazem casos reais da aplicação. Confira:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato