Como preparar seu negócio com a tecnologia dos novos meios de pagamento

Foto do autor

Cédulas, moedas e cartões de débito e crédito físicos foram, por muito tempo, as principais formas do consumidor pagar por suas compras diárias. Porém, com o aumento do uso de tecnologias no cotidiano, novos meios de pagamento ganham força e devem fazer parte da estratégia de diferentes negócios.

Atualmente, o crescimento do comércio eletrônico, bem como as orientações de distanciamento social, impulsionam o uso de carteiras digitais, pagamento por aproximação e Pix.

Além disso, o próprio comportamento do consumidor sofreu grandes mudanças nos últimos anos, exigindo processos cada vez mais rápidos e eficientes para realizar transações.

Assim, neste cenário, ter uma infraestrutura de pagamento de alto desempenho é fundamental. 

Afinal, é a partir desse ecossistema que será possível atender aos novos desafios, tais como o volume crescente de pagamentos digitais, e até mesmo se proteger contra fraudes, que aumentaram em intensidade e complexidade ao longo de 2020.

Portanto, estar por dentro das transformações do setor financeiro e das tendências de meios de pagamento pode ajudar a estruturar um negócio mais competitivo e resiliente. 

Neste artigo, explicamos para você:

  • Novos meios de pagamento foram impulsionados durante a pandemia
  • Pix: a implementação do novo meio de pagamento
  • Avanços tecnológicos foram cruciais para a evolução das transações
  • Novos meios de pagamento: segurança digital e experiência do consumidor

Novos meios de pagamento foram impulsionados durante a pandemia

meios de pagamento
Pandemia aumentou demanda por métodos de pagamento contactless (sem contato), como os cartões com NFC e MST

Inegavelmente, a pandemia da Covid-19 acelerou uma série de mudanças nos mais diferentes segmentos da economia. Nesse sentido, novos meios de pagamento foram uma das transformações que impactaram negócios e o setor financeiro. 

A princípio, vale dizer que os métodos tradicionais estão caindo em desuso, como mostra uma pesquisa da Accenture, de fevereiro de 2021. De acordo com o levantamento, 77% das pessoas no Brasil deixaram de utilizar ou reduziram o uso de dinheiro em espécie.

Ao mesmo tempo, as carteiras digitais ganharam destaque durante esse período conturbado. Aliás, esse é um dos métodos de pagamento impulsionado não apenas pelo crescimento do e-commerce, como também por estratégias de cashback e descontos.

Para exemplificar, segundo a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), só em 2019, 61% dos brasileiros das classes A, B e C com smartphones já utilizavam e-wallets. Assim, é de se esperar que esse número também tenha crescido consideravelmente ao longo do último um ano e meio. 

‘Contactless’ é tendência

Em mesmo sentido, outras tecnologias que se sobressaíram no cenário foram as de aproximação, como a Transmissão Magnética Segura (MST) e Comunicação por Campo de Proximidade (NFC). 

Aliás, essa forma de realizar transações por meio de cartões ou dispositivos inteligentes, como celulares e relógios, foi recomendada pela Organização Mundial de Saúde logo no início da pandemia

Por dispensar contato físico, ela é considerada uma maneira mais segura de realizar compras. 

Da mesma forma, a publicação da Accenture também traz um dado sobre esse crescimento: 69% dos usuários consultados afirmam que a Covid-19 incentivou o uso de métodos de pagamento contactless.

Em suma, a mudança nos hábitos de consumo ampliou as oportunidades para essas inovações no setor, sendo essa uma tendência que deve continuar. 

Só para ilustrar, o relatório Visa Covid-19 Consumer Sentiment, divulgado em fevereiro de 2021, mostra que 78% dos participantes esperam usar novas tecnologias de pagamento no futuro, como biometria e criptomoedas.


LEIA MAIS: Reconhecimento facial: o impacto da biometria nos meios de pagamento


Adoção de métodos de pagamento inovadores já é tradição no exterior

De acordo com um levantamento realizado pela McKinsey em março de 2021, 78% dos americanos utilizam formas digitais de pagamento. Isso inclui compras online pelo navegador ou aplicativo, check-out na loja usando smartphones ou, ainda, QR codes e pagamentos entre pessoas físicas.

Além disso, a ampla adoção de métodos eletrônicos ao longo dos anos teve como resultado o crescimento das estratégias omnichannel no país. Tanto que, segundo os dados da consultoria, atualmente, a maioria dos negócios já aceita mais de uma forma de pagamento digital.

Vantagens internet das coisas (IoT)

A implementação do método de pagamento Pix

Enquanto as carteiras digitais e os métodos de pagamento por aproximação se desenvolviam mundo afora, também foi criada no Brasil uma nova forma de realizar transações. 

O Pix é o meio instantâneo de pagamentos idealizado pelo Banco Central e implementado em novembro de 2020.

O que você talvez não saiba é que a novidade é só uma parte da agenda de digitalização e atualização do sistema bancário nacional que, segundo o presidente do BC, Roberto Campos Neto, permitirá “atender as pessoas de forma muito mais ampla e eficiente”.

Apesar do pouco tempo de funcionamento, a inovação fez bastante sucesso no país. Tanto que, no final de março de 2021, o Pix já havia superado operações mais tradicionais como boleto, DOC e TED. 

Na mesma época, a tecnologia também somava R$ 787,2 bilhões movimentados e mais de 200 milhões de chaves registradas.

Por fim, é possível afirmar que os novos meios de pagamento acabam tornando todos os processos relativos à experiência de compra mais acessíveis e eficientes. Como exemplo, o Pix elimina o tempo de espera de transações e a carteira digital traz mais segurança do que as vendas online via cartão de crédito.

Contudo, para que essas e outras facilidades do setor financeiro estejam disponíveis para cada vez mais pessoas, há ainda outras mudanças por vir.

Open Banking é o próximo passo do mercado de crédito

Seguindo o exemplo do setor financeiro em mercados mais maduros, como o Reino Unido, o Banco Central pretende implementar o Open Banking no Brasil. 

Esse conceito se baseia na simplificação da portabilidade de dados entre os bancos. Ou seja, o cliente pode levar seu histórico financeiro para diferentes prestadores de serviços bancários, viabilizando condições de crédito mais alinhadas à sua realidade.  

Para as instituições financeiras, como bancos e fintechs, isso significa tanto uma oportunidade de negócios quanto uma necessidade de adaptação a tecnologias padronizadas para o compartilhamento de dados, o que também os levará a um mercado mais competitivo.


LEIA MAIS: Tecnologia nos bancos: como o 5G promete revolucionar o atendimento ao cliente


Avanços tecnológicos foram cruciais para a evolução das transações

O aumento da oferta de serviços digitais, os novos meios de pagamento e o crescimento do comércio eletrônico não seriam possíveis sem os avanços tecnológicos dos últimos anos. 

Em primeiro lugar, a grande viabilizadora de toda a transformação digital é a conectividade. Afinal, sem acesso à internet, seja fixa ou móvel, os métodos de pagamento mais recentes não poderiam ser utilizados em lojas e pontos de vendas. 

Além disso, no comércio eletrônico, por exemplo, a velocidade do processo de compra é algo que impacta diretamente na experiência do consumidor. 

Sendo assim, contar com uma troca de dados rápida e de alta disponibilidade pode ser o diferencial que o seu negócio tanto precisa para se destacar. 

Nesse sentido, a iminente chegada do 5G é outro fator que traz grandes expectativas para os negócios. A conexão de quinta geração terá latência abaixo de 1 milissegundo e uma taxa de transmissão de até 20 Gbps.

Aliás, essa melhoria na conectividade também impactará outras importantes tecnologias que auxiliam nos métodos de pagamento, como a Cloud.

No cenário de digitalização, os serviços em nuvem ficaram em alta por trazer opções de eficiência de custos. Isso porque permitem que grandes despesas de capital (Capex) sejam substituídas por despesas operacionais (Opex) com assinaturas mensais.

Muitas carteiras digitais, inclusive, utilizam esse ambiente escalável para armazenar dados de forma segura, com criptografia e autenticação de dois fatores.

Por fim, vale ainda citar inovações como a Internet das Coisas (IoT) e o Big Data. Estas têm papel importante tanto na personalização de serviços, quanto na identificação do usuário, via localização ou comportamento, como veremos a seguir.


LEIA MAIS: Com o 5G, o modelo de gestão de empresas nunca mais será o mesmo


Novos meios de pagamento: segurança digital e experiência do consumidor

novos meios de pagamento
Pagamento simplificado eleva a experiência de consumo, o que também contribui com as vendas

Uma das principais vantagens dos novos meios de pagamento é o fato de que eles simplificam processos. Portanto, é possível fazer uma compra sem tirar o cartão da carteira ou, ainda, realizar uma transação por meio da leitura de um QR code. 

Em outras palavras, há melhoria na usabilidade de aplicativos e plataformas na hora de pagar e isso é extremamente importante. Hoje, planejar a experiência do cliente é algo essencial e a preocupação com os métodos de pagamento faz parte de uma boa jornada de compra. 

Na realidade, em um estudo divulgado em fevereiro, a IDC Brasil estimou que, só em 2021, serão investidos US$ 1,4 bilhão em Customer Experience (CX)

Ao longo da pesquisa, a consultoria também revela que mais de 65% das companhias consultadas revelaram interesse em soluções que viabilizem o “digital first”, um termo guarda-chuva para a maioria das abordagens baseadas e dirigidas por dados. 

E como é de se imaginar, tais informações são especialmente úteis na hora de personalizar serviços – uma forma bastante difundida de aprimorar a relação entre a marca e seu público.

Como exemplo, o negócio pode identificar a preferência do usuário entre os métodos de pagamento disponíveis e oferecer um desconto ou cashback

Da mesma forma, por meio dos dispositivos conectados, é possível mapear os hábitos de consumo mais precisamente e ofertar serviços exclusivos.

Mas também é importante se lembrar da segurança

Se por um lado essas facilidades servem para conquistar a lealdade do cliente, por outro, também aumentam a exposição do negócio a eventuais ciberataques

Nesse sentido, o uso de tecnologias baseadas em dados pode ajudar a prevenir fraudes e outros crimes, como a falsidade ideológica. 

Afinal, por meio das informações de localização e do reconhecimento de dispositivos confiáveis, para citar alguns exemplos, fica consideravelmente mais fácil evitar e detectar transações suspeitas.

Além disso, a partir da análise inteligente dessas informações, inclusive por soluções de Big Data e Machine Learning, os sistemas podem identificar comportamento irregular, como gastos acima do normal.

Em suma, nota-se que um dos grandes desafios do novo momento nos meios digitais como um todo é equilibrar segurança e usabilidade. 

No entanto, por mais que essa necessidade exija um grande esforço dos negócios, só com investimento em tecnologia, além da devida capacitação profissional, será possível aproveitar as oportunidades dos novos meios de pagamento sem riscos. 


LEIA MAIS: Conheça o Zero Trust: um conceito de segurança com base em recursos e não na localização física


Conclusão

Os novos meios de pagamento podem ser adotados por qualquer segmento e devem fazer parte do planejamento do negócio, visando um melhor relacionamento com o público-alvo. 

Com o uso de tecnologias atuais, eles trazem mais agilidade e eficiência aos processos de compra e venda, ajudando a melhorar a competitividade no mercado. 

Além disso, as alternativas de compra mais modernas, como as por aproximação, carteiras digitais, Pix e até via aplicativo de mensagens, estão alinhadas à demanda atual. Ou seja, na prática, são uma resposta a um consumo mais digitalizado e rápido, em que o freguês não quer esperar pelo processamento das transações. 

Contudo, para atender esse imediatismo com qualidade e segurança, algumas questões são indispensáveis. Em primeiro lugar, um bom planejamento da estrutura de Tecnologia da Informação beneficia qualquer empresa, principalmente em relação ao departamento financeiro e de vendas. 

Da mesma forma, logo em seguida, há também a necessidade de contar com um sistema inteligente de proteção de dados.

Antes de tudo, no entanto, para conciliar todos esses pontos técnicos, é fundamental contar com um parceiro estratégico.

É por isso que a Vivo Empresas, na intenção de auxiliar a evolução do seu negócio e acompanhar as demandas do mercado e dos consumidores, oferece soluções completas em Conectividade e Cloud.

Gostou de saber mais sobre como preparar o seu negócio para a realidade dos novos meios de pagamento? Então, confira estes outros conteúdos que também podem interessar:

Foto do autor
Solicite um contato