Tecnologia no setor público: como a inovação agrega eficiência aos serviços governamentais

18/05/2021 às 14:20

A tecnologia no setor público tem sido fundamental para a prestação de serviços essenciais à população. Isso porque, para continuar na ativa, muitas instituições e órgãos governamentais tiveram de se digitalizar rapidamente na tentativa de driblar os entraves do isolamento social. 

Com isso, além de terem que adotar o regime de trabalho remoto, praticamente do dia para a noite, empresas e repartições públicas precisaram atualizar equipamentos, bem como passar por treinamentos específicos.

No entanto, mesmo com o grande esforço das equipes, a crise mexeu profundamente com a dinâmica de funcionamento das agências e órgãos estatais. Assim, mesmo para continuar funcionando minimamente, tem sido necessário estar em dia com as soluções digitais.

Por sua vez, as consequências desse momento conturbado ainda são muitas – e exigem uma análise minuciosa do que será necessário para superar a crise atual, inclusive a longo prazo. 

Neste artigo, descubra como a tecnologia no setor público pode não só alavancar a retomada de serviços essenciais ao cidadão, mas também permitir o desenvolvimento de novos programas e políticas para o futuro. Siga na leitura e confira também: 

  • Reconstrução pós-crise: por onde começar;
  • Primeiros passos para elaborar um plano de reestruturação;
  • A importância da resiliência organizacional;
  • Tecnologia no setor público beneficia instituições e cidadãos

Reconstrução pós-crise: veja por onde começar

Resiliência corporativa será aspecto chave para a reconstrução de instituições públicas e privadas no cenário pós-crise

O início da aplicação das vacinas contra a Covid-19 tem implicações diretas na economia. Isso porque, com a população imunizada, crescem as chances dos negócios voltarem a ser o que eram antes da pandemia. 

Nesse contexto, é de interesse, tanto de gestores privados quanto públicos, a elaboração de estratégias que permitam superar as consequências da crise atual.

Aliás, segundo o que apontou o Gartner, em julho de 2020, cabe a esses líderes a redefinição dos planos a serem adotados para o desenvolvimento da resiliência corporativa, característica primordial para a sobrevivência das instituições.

Conforme define outra consultoria global, a McKinsey, o termo está ligado à “capacidade de uma organização resistir, se adaptar e prosperar diante de choques internos e externos, conhecidos ou imprevistos“.

Webinar | Tecnologia M2M_V1

Primeiros passos para elaborar um plano de reestruturação

Ainda durante a segunda metade de 2020, o Gartner sugeriu que, para garantir bons resultados, a estrutura dos planos de recuperação deve seguir três etapas: responder, recuperar e renovar

Além disso, uma vantagem indiscutível em todas as fases, segundo a consultoria, é a possibilidade de colocar em prática tudo o que se aprendeu durante os últimos meses de pandemia.

Essa situação acabou com as estratégias de alguns líderes, mas eles também permitiu que reunissem uma experiência inestimável. Agora, é hora de conversar com suas equipes para usar essas lições e reconfigurar modelos de negócio de acordo com a nova realidade.”

Fonte: Gartner

Nesse sentido, é fundamental entender que a crise modificou muita coisa na vida das pessoas, desde hábitos íntimos à rotina de trabalho. Tais mudanças serão, em diversos casos, irreversíveis. 

Daí, a importância de olhar com profundidade para as instituições, colher métricas, analisar projeções para o futuro e verificar o que pode ser feito daqui para frente.

Vamos às etapas?

Responder

Trata-se de um conjunto de ações que são tomadas em caráter emergencial. Ou seja, o que pode ser colocado em prática para garantir a segurança das pessoas envolvidas e, ainda, manter a organização em funcionamento. É um período curto, pelo qual todas as instituições já passaram durante a pandemia.

No entanto, mesmo sendo passageiro, exige grande esforço dos times. Também é provável que os dias de trabalho sejam caóticos. Como o Gartner definiu: “são correções temporárias para estancar o sangramento”.

Recuperar

A segunda etapa tende a ser mais organizada, uma vez que o objetivo principal é justamente estabilizar as operações. Também deve ser mais longa que a primeira fase, sobretudo porque exige a criação de um plano de recuperação escalonável.

Este documento deve conter, inclusive, a descrição dos recursos que serão necessários para fortalecer, reordenar, reabastecer e recontratar, entre outras atividades cruciais.

Renovar

É o momento de executar o que foi planejado no passo anterior. E, para tal, será preciso reaprender a conduzir processos operacionais e fluxos de trabalho novos, além de usar as lições aprendidas durante a crise para criar padrões mais eficientes para o novo cenário.

Inclusive, também segundo o Gartner, tais etapas podem se sobrepor em alguns momentos. 

Mesmo sem ter uma estratégia bem definida, por exemplo, é possível já pensar na renovação. Isto é, em como as medidas, que ainda estão sendo propostas, serão executadas no fim do plano.


LEIA MAIS: Criatividade, inovação e tecnologia: a reinvenção das empresas no pós-crise


A importância da resiliência organizacional

Essa análise da organização permitirá conhecer pontos fortes e fracos. É um importante “pente fino”, que irá eliminar justamente o que não estava funcionando. Ou seja, quando ocorrer outra crise do gênero, a instituição estará melhor preparada para enfrentá-la. Isso é o que chamamos de resiliência organizacional.

Tal característica é essencial para identificar riscos e oportunidades. E os serviços públicos são exemplos reais. 

Muitos órgãos governamentais tiveram de se reinventar para oferecer opções remotas de atendimento, algo inédito para diversos deles. Como tal modelo vem sendo utilizado desde 2020, cabe aos responsáveis avaliarem o que deu certo, quais foram os ganhos e o que precisa ser corrigido.

Dessa forma, é possível descobrir se há a necessidade de abrir alguns dos espaços físicos novamente ou se será mais vantajoso concentrar as atividades no meio digital.

Tecnologia no setor público beneficia instituições e cidadãos

Tecnologia no setor público
Além de reduzir o tempo de espera na prestação de serviços ao cidadão, tecnologia no setor público também diminui custos

Os recursos tecnológicos permearam todas as fases da pandemia. A necessidade de isolamento e de distanciamento social fez com que as organizações reforçassem suas atuações online, oferecendo novos tipos de atendimento, entre outras ações.

O Governo Federal, por exemplo, optou por digitalizar 251 serviços em 2020, lançando aplicativos como Carteira de Trabalho Digital, Carteira Digital de Trânsito e Meu INSS. Tais plataformas ajudaram a reduzir o deslocamento dos cidadãos, tornando mais prática a resolução de problemas e simplificando a emissão de documentos.

No entanto, para disponibilizar esse tipo de serviço, as instituições precisaram se preparar, adquirir novas soluções digitais. E, à medida que esses insumos foram usados, mensurar os resultados para corrigir falhas também foi essencial.

A tecnologia, por sua vez, viabilizou todos esses processos. Veja alguns dos aliados:

Nuvem

A Cloud Computing é uma das bases da transformação digital, uma vez que a tecnologia sustenta o armazenamento e o processamento de informações. Além disso, contribui para gerar maior produtividade e estimular a adoção de serviços digitais.

As soluções baseadas em nuvem ainda asseguram elementos importantes ao dia a dia dos negócios. 

Aqui, é possível citar processos organizados de modo ágil, trabalho colaborativo, escalabilidade e flexibilidade, bem como atualizações em tempo real e baixos investimentos em CapEx.

Conectividade

O termo conectividade não deve ser limitado ao uso de soluções de internet. Afinal, estamos falando de ferramentas e plataformas que funcionam de maneira integrada e inteligente

Juntas, elas garantem diversas vantagens para todos os envolvidos no universo governamental e na execução de tarefas.

Tal infraestrutura alcança todas as áreas da instituição, assegurando que computadores, programas, sistemas operacionais e dispositivos em geral estejam disponíveis, sejam estáveis e tenham a capacidade de operar em rede.

Inclusive, desde o início da pandemia, foi possível notar a urgência dos investimentos em conectividade. Isso porque muitos recursos conectados já eram utilizados no dia a dia, mas a demanda se mostrou tão grande durante a crise que os planos de recuperação passaram a tratar as conexões como um ponto central.

Videoconferências, acesso remoto a ambientes virtuais e o crescimento dos atendimentos online estiveram na pauta e no dia a dia das organizações, tanto privadas quanto públicas.


LEIA MAIS: Durante pandemia, suporte remoto de TI viabiliza o trabalho a distância


Segurança

A maior exposição digital aumenta proporcionalmente a vulnerabilidade das instituições – e, consequentemente, o risco dos ciberataques. Por isso, é essencial monitorar constantemente os ambientes virtuais, de modo que as equipes de segurança cibernética possam identificar riscos imediatamente. 

Dessa forma, afinal, também é possível dar uma resposta às investidas criminosas com maior rapidez.

Daí a necessidade de elaborar uma infraestrutura de proteção cibernética robusta, composta por ferramentas capazes de resguardar ativos digitais, assegurando a integridade de aplicações, dados e informações sigilosas.

IoT

É um tema recorrente nos processos de reconstrução dos negócios. Inclusive, segundo uma pesquisa realizada em outubro de 2020 pelo Gartner, 47% das organizações de diferentes setores planejam ampliar os investimentos em IoT (sigla de Internet of Things). 

Entre os principais objetivos, de acordo com o estudo, destacam-se a redução de custos operacionais e o reforço da segurança das equipes.

Utilizada com uma frequência cada vez maior nos contextos industrial e corporativo, a tecnologia se baseia em um conceito no qual dispositivos operam conectados em rede. 

Assim, tais gadgets são capazes de coletar, transmitir e integrar dados que, uma vez processados, podem se transformar em insights valiosos para a tomada de decisões. 

Posto que implementada nas repartições públicas, a Internet das Coisas também pode diminuir a burocracia de determinados procedimentos, promover economia e, consequentemente, aumentar a produtividade.

Equipamentos

A neurocientista Suzana Herculano defende que o computador é capaz de aumentar a capacidade humana de realizar as tarefas por conseguir armazenar maior quantidade de informações e processar dados com agilidade.

Por isso, a qualidade dos equipamentos e das aplicações de trabalho utilizadas pelos profissionais impacta diretamente os índices de produtividade. Tal constatação reforça a necessidade de disponibilizar, aos colaboradores, máquinas, softwares e ferramentas atualizadas.

Entretanto, a renovação do parque tecnológico nem sempre é possível da maneira desejada ou ideal. 

Nesses casos, o aluguel sob demanda é uma opção a ser considerada para o plano de reconstrução, visto que viabiliza a troca sem comprometer tanto capital de uma só vez.


LEIA MAIS: Entenda como equipamentos de TI podem melhorar a produtividade da sua equipe


Concluindo

Depois de mais de um ano de pandemia, a expectativa é de reconstrução e superação, dois processos minuciosos e cheios de etapas. Assim, cabe às instituições e, sobretudo, aos seus gestores, analisarem a experiência vivida nos últimos meses para identificar erros e acertos. 

Afinal, uma vez que esses pontos de melhoria sejam endereçados, o funcionamento de serviços governamentais e privados estará mais resiliente. 

A tecnologia, por sua vez, permeou todos os desafios vividos durante a atual crise – e as projeções realizadas por grandes consultorias, como Gartner e McKinsey, mostram que a digitalização continuará sendo essencial para superá-la.

De olho nesse movimento, a Vivo Empresas segue no constante aprimoramento do seu portfólio de produtos, com soluções que atendem tanto ao mercado quanto à iniciativa pública.

Serviços baseados em Conectividade, Cloud, Big Data, Segurança, Ferramentas de Colaboração e Produtividade, Gestão de Tecnologia e IoT são apenas alguns dos recursos oferecidos. 

E a partir da expertise de quem é líder no fornecimento de tecnologia digital, é possível adaptar tais opções aos mais variados contextos e escalas.

Antes de ir, veja mais artigos que podem interessar:

Até a próxima!

Compartilhe este conteúdo!

Solicite um contato
campo obrigátório

Enviamos conteúdos do seu interesse para seu e-mail, cancele a qualquer momento.

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá os melhores conteúdos para ajudar a gerenciar, expandir ou inovar o seu negócio