Mudanças climáticas: veja como a tecnologia torna a sua produção mais eficiente

17/03/2021 às 18:51

As mudanças climáticas afetam diretamente o agronegócio. Por esse motivo, é essencial traçar uma estratégia específica para proteger plantações e rebanhos dos efeitos adversos, além de avaliar as condições para o trabalho no campo. 

E, nesse sentido, a tecnologia é uma excelente aliada.

Isso porque diferentes recursos, plataformas e ferramentas ajudam a gerir a produção, prevendo problemas e otimizando os processos. Todas as soluções têm como base a conectividade, elemento cada vez mais necessário ao setor

Neste artigo, mostraremos como isso ocorre na prática e quais são os ganhos que a digitalização pode proporcionar às propriedades rurais. Veja também:

  • Como driblar as mudanças climáticas
  • Conectividade: uma das bases de uma produção otimizada
  • Internet das Coisas: fundamental para monitorar
  • Outras tecnologias necessárias
  • Conclusão

Como driblar as mudanças climáticas

As mudanças climáticas têm grandes implicações sobre os seres humanos. A consultoria McKinsey, inclusive, publicou um alerta para a capacidade que tais alterações têm de afetar negócios, possíveis decisões políticas, a saúde de famílias inteiras e o lazer, entre outros aspectos. 

No agronegócio, em especial, transições drásticas podem trazer danos muitas vezes irreversíveis, pois conseguem acabar com lavouras inteiras, comprometer rebanhos e até mesmo modificar as condições do solo.

Tudo isso acarreta em grandes impactos para as propriedades e, consequentemente, para a economia, uma vez que o Brasil alimenta mais de 1 bilhão de pessoas no mundo inteiro, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para evitar esses e muitos outros problemas, é fundamental estruturar uma operação robusta.

E a base para ela, de acordo com a Embrapa, deve ser composta por competências técnico-científicas, empreendedorismo dos agricultores e, sobretudo, pela geração de tecnologias. 

Esse tipo de recurso é fundamental para preparar as produções de forma mais eficiente,  minimizando as consequências das transições do clima.

Recentemente, por exemplo, condições desfavoráveis, que afetaram mercados concorrentes, contribuíram para um aumento significativo nas vendas nacionais de açúcar. Ou seja, quem monitora o clima consegue faturar mais.

Alterações recorrentes

Infelizmente, será cada vez mais comum haver alterações drásticas de temperatura no mundo inteiro. De acordo com o relatório United in Science 2020, coordenado pela Organização Meteorológica (OMM), os gases de efeito estufa lançados na atmosfera estão atingindo níveis alarmantes. 

Aqui, vale destacar a redução global de 7% durante a pandemia, uma vez que as pessoas ficaram mais tempo em casa. Contudo, ainda é uma situação que exige atenção redobrada.

O aquecimento global, por sua vez, é o grande causador dos problemas que assolam campos inteiros, como cheias, secas, temperaturas elevadas, oscilações e pragas. Tudo isso pode comprometer as plantações.

E, neste sentido, a tecnologia contribui para detectar as mudanças com antecedência, mitigando riscos. 

Também pode ser uma excelente aliada da sustentabilidade. Isso porque processos inteligentes, monitorados 24 horas por dia, conseguem contribuir diretamente para a redução da emissão de dióxido de carbono, por exemplo.

Os dados, mais uma vez, são essenciais neste contexto. Ao analisá-los em maior escala, tem-se respostas mais rápidas e significativas para a melhoria de processos.

Webinar | Benefícios do IoT no agronegócio _V1

Conectividade: uma das bases de uma produção otimizada

A conectividade é o ponto de partida de uma operação eficiente. E o motivo é simples: a infraestrutura permite a coleta e a análise de informações em tempo real sobre as condições do solo, as previsões climáticas e a evolução do plantio, entre outras características. 

Esses dados são de extrema importância para a gestão dos recursos e da produtividade, garantindo economia e contribuindo para a identificação de falhas.

É a capacidade de conexão, portanto, que permite utilizar algoritmos inteligentes para a análise de aspectos capazes de identificar clientes e nichos de mercado. Dessa maneira, os gestores de propriedades rurais conseguem chegar a diagnósticos mais precisos, além de tomar decisões embasadas.

Sendo assim, os produtores que adotaram a conectividade em seus negócios aderiram à agricultura de precisão. 

Ou seja, utilizam um conjunto de práticas que dependem de uma rede para operar, como Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IoT), Big Data, automação e robótica. O objetivo, segundo a Embrapa, é  agregar camadas de inteligência e independência aos negócios.


LEIA MAIS: Veja como a tecnologia amplia a eficiência nas colheitas de soja


Internet das Coisas: fundamental para monitorar

A IoT é uma das grandes responsáveis pelos avanços no campo, segundo o Gartner. Especificamente sobre as alterações climáticas, dispositivos conectados conseguem prever temperaturas muito altas, secas ou chuvas, por exemplo. 

Tais informações ajudam a regular a irrigação e também a gerenciar todas as etapas (plantio e colheita).

E esse gerenciamento implica em grandes economias financeiras, uma vez que é possível poupar água,quando há a possibilidade de chuva, desligando o sistema que irriga as plantas. 

Desse modo, caso o tempo fique muito seco ou seja mapeado um provável alagamento, a colheita pode ser adiantada. Trata-se de uma análise que antecipa problemas e oferece soluções para eles, sem que haja perdas.

Todas essas informações coletadas precisam ser reunidas em algum lugar. E é aqui que entra outro recurso que tem sido utilizado com maior frequência no campo: a nuvem

O uso de soluções de cloud computing e Vivo Clima Inteligente permitem guardar e organizar os dados em ambientes virtuais, garantindo o acesso a equipes remotamente. 

Ademais, possibilita a adoção de softwares que não precisam ser instalados em máquinas. Basta acessá-los virtualmente.

A tecnologia, inclusive, foi destacada pelo Gartner como uma tendência para 2021 justamente por ser prática, possibilitando uma característica bem importante: a escalabilidade. Ou seja, o serviço pode ser contratado conforme as necessidades do produtor.

Tais soluções digitais, entretanto, implicam em um volume maior de dados circulando pelo ambiente virtual, o que também atrai a atenção de criminosos. Por isso, é importante blindar os negócios com a adoção de uma solução de cibersegurança para que a gestão das informações ocorra com proteção.

A rede NB-IoT, mais apropriada para dispositivos de clima, oferece proteção adequada para as informações geradas por propriedades rurais.


LEIA MAIS: Por que a tecnologia facilita a vida do trabalhador rural


Outras tecnologias necessárias

O uso de tecnologias no agronegócio é urgente para driblar as mudanças climáticas e, consequentemente, evitar crises. E o mercado parece estar ciente disto. 

De acordo com a McKinsey, os agricultores brasileiros estão receptivos ao uso de recursos digitais. A maior parte, inclusive, tem a consciência de que são ferramentas essenciais para garantir a tomada de decisões mais estruturadas e embasadas.

As soluções tecnológicas mais utilizadas atualmente, de acordo com a consultoria global, são os drones, capazes de monitorar as plantações e aplicar fertilizantes, entre outros insumos. 

Além disso, Gartner e McKinsey corroboram que a IoT (drones, por exemplo, contam com SIM Cards M2M para a sua operação) é, sim, o “presente das plantações”. Ou seja, deve ser implementada o quanto antes para otimizá-las. 

Veja, a seguir, alguns exemplos práticos do uso de soluções digitais no campo:

  • Sensores: ajudam a identificar as características do solo, reduzindo a necessidade de rega quando já está úmido, por exemplo. Dessa forma, a superfície não será prejudicada se chover em excesso. Além do mais, quando integrados a sistemas que medem as condições climáticas, são capazes de identificar alterações com antecedência. Esse monitoramento preciso é o que permite dar respostas mais rápidas;
  • Drones: é capaz de sobrevoar plantações inteiras em segundos, filmando ou atuando diretamente na aplicação de insumos. As imagens produzidas têm qualidade superior às captadas por satélites;
  • Telemetria: utilizado em tratores, o sistema permite que as distâncias sejam calculadas e percorridas com maior facilidade. Isso é muito importante quando há alterações climáticas não esperadas.

E os benefícios?

É grande a lista de vantagens do uso de recursos tecnológicos para otimizar a produção no campo, sobretudo no que diz respeito às mudanças climáticas. Listamos as principais:

  1. É possível coletar mais facilmente dados do solo;
  2. Monitora-se o maquinário com maior precisão;
  3. Há um controle maior da irrigação, contribuindo para a economia de água;
  4. Tem-se acesso com mais facilidade às previsões meteorológicas e, assim, o produtor passa a dispor de uma base mais sólida para orientar as suas decisões;
  5. É mais fácil identificar problemas, como umidade em excesso, pragas e doenças;
  6. A produtividade dá um salto importante;
  7. O produtor consegue aproveitar melhor o espaço físico, identificando áreas disponíveis com maior facilidade e orientando a colheita.

Conclusão

A conectividade, fornecida por soluções como Vivo Maquinário Inteligente e Vivo Clima Inteligente, através de diferentes conectividades, deixou de ser um complemento nas produções agrícolas. Tal estrutura é, hoje, fundamental, sobretudo por viabilizar o uso de soluções baseadas em IoT.

Gera-se, então, uma conexão M2M ou machine to machine (de máquina para máquina, em português). São dispositivos interligados, que operam em rede e geram dados que podem ser avaliados em tempo real.

Tais informações são essenciais para que o produtor rural esteja preparado para as mudanças climáticas. São elas as responsáveis por antecipar possíveis problemas, facilitando a tomada de decisão em relação às soluções mais adequadas para cada um. 

Evita-se, dessa forma, a perda do plantio e o desperdício de recursos.

Uma vez, entretanto, que a geração de dados seja potencializada, é preciso armazená-los em algum local. E este espaço é a nuvem, que deve ser regida por políticas e ferramentas capazes de proteger as informações. 

Portanto, tem-se uma cadeia tecnológica, que se faz cada vez mais essencial para qualquer tipo de operação.

Ciente da importância de acelerar a digitalização no campo, a Vivo Empresas, líder em serviços de Conectividade, oferece ao produtor  um portfólio de soluções completo, com tecnologias como Cloud, IoT, Big Data, Ferramentas de Colaboração, Equipamentos, Segurança e TI. São recursos imprescindíveis para tornar os negócios mais produtivos e otimizados.

Aliás, quer saber mais sobre como a tecnologia pode contribuir para uma gestão eficiente no agronegócio? Veja estes artigos que separamos para você:

Até a próxima!

Compartilhe este conteúdo!

Solicite um contato
campo obrigátório

Enviamos conteúdos do seu interesse para seu e-mail, cancele a qualquer momento.

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá os melhores conteúdos para ajudar a gerenciar, expandir ou inovar o seu negócio