Aceleradora de startups: entenda o que é e benefícios para empresas

Foto do autor

Uma  aceleradora de startups é, em linhas gerais, uma entidade que tem como principal objetivo apoiar o desenvolvimento inicial de novos negócios de caráter inovador. Isso acontece por meio de um processo estruturado, com duração determinada, que inclui geralmente etapas como seleção, capacitação, mentoria e aporte financeiro.

Em troca, as startups podem, por exemplo, oferecer participação societária no futuro, com a expansão dos empreendimentos. Em geral, aceleradoras buscam iniciativas de grande potencial de crescimento rápido e que sejam escalonáveis. 

Leia também:

  • O que é uma aceleradora de startups
  • Diferenças entre aceleradoras e incubadoras
  • Melhores aceleradoras de startups

O que é uma aceleradora de startups

Uma aceleradora de startups oferece um programa que orienta, oferece suporte, estrutura, mentoria, rede de contatos e aporte financeiro para empresas inovadoras em seus estágios iniciais. A duração desse acompanhamento pode variar de semanas a meses. 

Os programas focam no apoio a iniciativas que estão no começo da jornada. No entanto, espera-se que o negócio tenha mais do que apenas uma boa ideia. É preciso, muitas vezes, já contar com um protótipo ou, até mesmo, um produto real para que o programa possa oferecer as ferramentas necessárias para crescimento rápido. 

Normalmente, as aceleradoras de startups oferecem quantidade determinada de capital em troca de porcentagem societária. No entanto, isso não é regra, varia de acordo com cada caso e processo. 

O que aceleradoras oferecem para os negócios 

Ser selecionado ajuda a startup a conquistar acesso privilegiado a consultores e empresários de referência em suas áreas de atuação. Esses profissionais podem oferecer apoio valioso no desenvolvimento do produto e no aprimoramento do modelo de negócios, por exemplo.

Além disso, outro aspecto que pode fazer a diferença é a conexão com investidores e a possibilidade de conquistar um aporte financeiro significativo para deslanchar o empreendimento.

Se inscrever em um programa de aceleração é uma forma de conseguir suporte e ter acesso a boas práticas de outras empresas contempladas anteriormente e, ainda, receber um passo a passo de como fazer um lançamento e captar recursos. Essa opção oferece ainda suporte para áreas como rede de contatos, mentoria e espaço para interação. 

O que as aceleradoras podem oferecer: 

Conexões com profissionais-chave

Trabalhar com uma aceleradora de startups é uma chance de ter acesso a conexões valiosas. Isso porque entidades do tipo atuam, em geral, colaborando com investidores-anjo e empresas de venture capital que desejam investir em ideias disruptivas.

Acessar esses contatos e ter a possibilidade de conhecer outros profissionais relevantes pode fazer toda a diferença para quem está começando. 

Afinal, em pouco tempo é possível formar uma rede de conexões que, sozinho, o empreendedor poderia levar anos para construir, além de fortalecer sua reputação e de sua empresa, o que é essencial para a captação de recursos e contratação dos melhores talentos. 

Apoio na gestão

Esse ponto é especialmente relevante para empreendedores inexperientes. Quem está começando pode se beneficiar muito do suporte de uma equipe com anos de estrada e com experiência suficiente para ajudá-los a concretizar os planos.  

Poder compartilhar a jornada com outros que passam pelos mesmos desafios é outro ponto interessante. Ao ser selecionada, a startup tem, por exemplo, todo o apoio necessário para lidar com questões como gestão, captação de recursos e escalabilidade. 

Ambiente colaborativo

Aceleradoras de startups criam um ambiente de colaboração, seja virtual ou presencial. Nesse espaço, empreendedores iniciantes têm acesso a feedbacks, orientações sobre tecnologias, como ferramentas de colaboração, e informações relativas a conceitos de negócios. 

As empresas apoiadas contam, em geral, com a expertise de engenheiros e outros profissionais criativos. Esses especialistas podem apoiar na resolução de problemas e, ainda, transformar uma ideia original em algo melhor, com mais chance de deslanchar. 

É comum que tais instituições mirem em mercados específicos. Entre eles destacam-se as áreas de saúde, tecnologia e varejo. Isso faz com que se tornem peritos em seus segmentos de atuação, o que é de grande valor para quem está começando e precisa de orientação. 

Trocas com outras startups

Outra oportunidade valiosa que este ecossistema pode oferecer é o compartilhamento do espaço físico ou virtual com outros negócios inovadores, que estão no mesmo estágio de desenvolvimento. 

Com o retorno às atividades presenciais, empreendedores podem aproveitar de ambientes de coworking, escritórios e outras instalações da aceleradora para trocar ideias com profissionais que estão passando pela mesma experiência, além de executivos e de outras empresas apoiadas no passado.  

Prepare seu negócio

Diferenças entre aceleradora e incubadora de startups

É comum que haja confusão entre os conceitos de aceleradora e incubadora. Apesar de ambos os modelos terem como foco startups, seus objetivos são diferentes. 

Segundo o Sebrae, enquanto as primeiras impulsionam o crescimento de uma empresa existente, as outras oferecem o ambiente necessário para que ideias disruptivas se desenvolvam.   

De acordo a entidade, a aceleradora tem como meta escalar o empreendimento. Por isso, é voltada para ideias em fase de tração ou de scale-up. O ambiente é ideal para networking e acesso a mercados e investimentos. 

Há um modelo disruptivo de suporte e consultoria, muitas vezes com metodologias ágeis. O processo seletivo também costuma ser mais concorrido, exigindo que a startup cumpra certos requisitos, que podem incluir mercado de atuação, equipe e modelo de negócios. 

Já a segunda é mais focada na inovação em seus primeiros estágios, ou seja, em iniciativas ainda embrionárias. É comum haver um espaço físico compartilhado pelas companhias apoiadas, que têm acesso a profissionais como contadores, advogados e publicitários, além de eventos e workshops de capacitação.

O que uma aceleradora busca

Em geral, para participar do processo de aceleração é necessário ter, pelo menos, um MVP (minimum value product). Em português,  um produto mínimo viável, com suas principais funcionalidades.

É essencial, no entanto, que esse protótipo já esteja funcionando e que a empresa possa demonstrar claramente seu uso e viabilidade.

Por mais que os requisitos variem entre diferentes aceleradoras, em geral, startups que têm apenas um conceito do produto ou do serviço a ser oferecido não são as candidatas ideais para um programa desse tipo.  

Algumas das melhores aceleradoras de startups

Atualmente, o Brasil tem 57 aceleradoras em operação, de acordo com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). Nos Estados Unidos, há mais de 200 entidades do tipo. Entre as principais estão Y Combinator, Plug and Play Tech Center e TechStars.

A Y Combinator investe, duas vezes por ano, US$ 500 mil por startup acelerada. O programa, que dura três meses, tem como um dos principais objetivos apoiar as organizações no refinamento de seu pitch para potenciais investidores. Ao final de cada ciclo, há o Demo Day, quando as iniciativas têm a oportunidade de apresentarem seus negócios para público selecionado. 

Outra empresa reconhecida é a Plug and Play Tech Center. Especializada em impulsionar a inovação em indústrias como agtech, saúde animal e fintech, atua em mais de 30 países, incluindo o Brasil. Seu ecossistema conta com mais de 50 mil ideias apoiadas.

Já a TechStars, como o nome indica, é focada na área de tecnologia. Presente em mais de 15 países, tem um programa de três meses de duração. Nesse período, as startups podem obter financiamento e orientação. As inscrições são abertas seis vezes por ano. Entre os critérios de seleção estão equipe, mercado, progresso e ideia de negócio.

Wayra, aceleradora de startups da Telefónica

No Brasil, um dos melhores exemplos é a Wayra. Integrante do Grupo Telefónica, do qual a Vivo Empresas faz parte, impulsiona a inovação, com investimento em escalabilidade. Com mais de 83 startups em seu portfólio, a aceleradora já captou mais de R$ 250 milhões em investimentos. O faturamento ultrapassa R$ 500 milhões. 

Sua proposta é ser o hub de inovação aberta mais global, conectado e tech-driven do mundo. Operando em 9 países, entre eles, Brasil, Colômbia, Alemanha e Espanha, tem como missão conectar disruptores digitais com a Vivo Empresas no Brasil e Telefónica no mundo para, assim, gerar oportunidades de negócios.

As áreas prioritárias de investimento da Wayra são entretenimento (jogos e vídeos), inteligência artificial, Internet das Coisas (IoT), Big Data, eHealth, edtech e fintech. A aceleradora oferece investimento de até R$ 1,5 milhão por startup. 

Ela apoia ainda o desenvolvimento de negócios com a Telefónica e Vivo Empresas, expansão internacional entre hubs, além de ampla comunidade de investidores e especialistas. O modelo usado é de coinvestimento com principais fundos de venture capital, apoio a ideias escaláveis e participação majoritária dos fundadores.

Tecnologia como aliada da inovação

Apostar em uma aceleradora de startups é uma forma não só de conseguir o aporte financeiro para deslanchar o negócio como, também, ter o suporte de gestão necessário para escalar a empresa e ter um crescimento rápido. 

Nesse sentido, é essencial contar com o apoio da tecnologia para evoluir e atingir os melhores resultados. Investir em práticas de gestão 4.0 é um passo importante para garantir que os processos estejam 100% estruturados, o que é um diferencial no processo seletivo.

Além disso, por meio tecnologias como inteligência artificial e Big Data é possível melhorar as operações e, assim, garantir um modelo de negócios realmente escalável. A Vivo Empresas dispõe de inovações sob medida para acelerar o crescimento de startups de diferentes segmentos. 

Achou este conteúdo sobre aceleradora de startups útil? Então, confira também:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato