Social E-commerce: o que é e como fazer?

Foto do autor

Em quantas redes sociais você está cadastrado? 

As respostas mais frequentes incluem o Facebook, o Instagram e o LinkedIn, com o Twitter e o TikTok com muitos usuários mais jovens. Não impressiona a dependência das redes sociais nos dias de hoje? E como elas preenchem uma parte grande da rotina das pessoas? 

A tendência do Social E-Commerce chega na onda desse crescimento. Manter uma relação ativa com o cliente nessas diversas redes sociais e é um fator cada vez mais decisivo no sucesso de uma empresa. O Social E-Commerce combina essa característica com o comércio eletrônico, e joga para as redes sociais o ambiente de impulsionar e concretizar vendas.  

A tendência vai de encontro com a expansão do e-commerce nos últimos anos. A pandemia de Covid-19, vivida entre 2020 e 2022, fez as pessoas entenderem a importância das compras pela internet e todas as vantagens que ela permite, como a rapidez, praticidade e abrangência de produtos que a modalidade tem. 

No Social E-Commerce, o comércio eletrônico tradicional é combinado com as redes sociais. As plataformas da mídia social viram um ambiente de compra, venda e troca, no qual é possível vender e comprar produtos ou serviços diretamente, sem terceiros ou apoio de um site.  

Neste texto, a explicamos o que é o Social E-commerce e damos um guia prático para empreendedores de pequenas, micro e médias empresas aproveitarem essa tendência para alavancar seus negócios. 

O que é e como surgiu o Social E-commerce 

Para diversos especialistas, o Social E-commerce surgiu por volta de 2005, quando o avanço de plataformas na internet, como blogs e sites, fez diversas empresas incluírem recursos em seus ambientes de ecommerce como wishlists compartilhadas, avaliações públicas de usuários e conteúdo gerado pelo usuário.  

A própria ideia de ter um ambiente onde usuários podem avaliar um determinado produto e empresa é parte do conceito de mídia social. Foi a primeira vez em que pessoas conectadas pela internet puderam criar uma comunidade em torno do ato de compra e venda. 

Apesar de avanços no e-commerce, com o surgimento de empresas plenamente dedicadas a essa modalidade, o processo de compra e venda intermediado por redes sociais cresceu na pandemia. Com as restrições sociais e mudanças nos hábitos de consumo, as preferências dos consumidores se transformaram radicalmente, assim como o consumo de redes sociais aumentou de forma exponencial. 

Com o surgimento de novas ferramentas como o Whatsapp Businness e o Marketplace, que abrange as lojas do Facebook e do Instagram, varejistas e empreendedores começaram a realizar suas transações diretamente na plataforma em que o cliente está navegando.  

Esse ponto é muito importante: no Social E-commerce, não há redirecionamento. Todo o processo de busca por um produto na internet, navegação e finalização da compra ocorre diretamente nessas redes sociais e plataformas digitais.  

Isso muda muita coisa, pois permite uma rapidez e uma flexibilidade que nem o e-commerce, em seus estágios mais evoluídos, permitia, além de proporcionar uma experiência de compra mais integrada e conveniente para o consumidor. 

As vantagens do Social E-commerce 

Combinação poderosa do comércio eletrônico tradicional com as redes sociais, o Social E-Commerce tem um vasto potencial que pode ser explorado por diversos tipos de negócios. São muitos os benefícios que a tendência oferece para micro, pequenos e médios empreendedores, como: 

  • Maior alcance e exposição: a adoção da troca e venda de produtos dentro das redes sociais faz com que todo o conceito de marketing seja repensado, uma vez que a comunicação já não tem mais o intuito de simplesmente atrair, mas sim de atrair e convencer quase que no mesmo instante. Produtos e serviços ganham uma visibilidade exponencial e podem alcançar potenciais clientes que estão ativamente engajados nas redes sociais. 
  • Maior interação: por eliminar barreiras e redirecionamentos, a tendência permite que empreendedores criem uma conexão mais profunda com seus clientes. É possível interagir diretamente com eles, responder a perguntas, fornecer suporte personalizado e até mesmo receber feedback instantâneo de produtos e serviços. Sem contar na experiência de compra e venda, que acontece quase que ao mesmo tempo do contato do cliente com a marca. É uma interação tão próxima que pode ser a chave para construir confiança e lealdade de clientes. 
  • Possibilidades de segmentação: mídias sociais oferecem aos empreendedores possibilidades avançadas de segmentação. Dão detalhes sobre diversas características de clientes e leads, o que permite que o empreendedor direcione suas campanhas de marketing para públicos específicos. Dessa forma, é possível alcançar públicos com interesses e características relevantes para o seu negócio, o que aumenta as chances de conversão e a eficiência do investimento. 
  • Redução de custos: por ser concentrado em uma única plataforma, essa modalidade de comércio eletrônico reduz custos operacionais, como manutenção de site, domínio, programadores e tudo voltado aos gastos com a operação de compra e venda numa plataforma tradicional. Vale lembrar que alguns recursos de redes sociais podem ser pagos, mas ainda assim o custo é muito menor se comparado com o modelo tradicional. 

Como implementar o Social E-Commerce em seu negócio? 

Agora que você sabe o que é e quais são as vantagens do Social E-Commerce, vamos para a parte prática: como colocar essa tendência para trabalhar a favor do seu negócio? 

Antes de entrar na parte técnica de inserir produtos em redes sociais, é preciso ter duas coisas bem claras: 

  • Objetivos: todo ambiente de compra precisa ter um objetivo por trás. Pode ser aumentar as vendas, expandir o alcance da marca, fortalecer o relacionamento com os clientes. O importante é ter metas claras, pois elas ajudam o empreendedor direcionar suas estratégias e medir o sucesso do negócio, assim como auxiliam na tomada de decisão técnica sobre novos produtos e serviços. 
  • Conhecer o público-alvo: entender quem são os clientes é fundamental para entender em quais plataformas eles estão mais presentes. Faça pesquisas de mercado, análise dados demográficos, investigue relatórios de comportamento e muito mais para identificar os canais mais eficazes para alcançar seu público-alvo.  

Uma vez definido o objetivo e o público-alvo, é hora de partir para a ação e de fato começar a vender nas redes sociais. 

Selecione as plataformas sociais que são mais relevantes para o seu negócio e onde seu público-alvo está ativo. São nesses canais que você precisa ter um perfil da empresa otimizado. Ele precisa ser empresarial e, mais do que qualquer coisa, atrativo.  Utilize imagens de alta qualidade, inclua informações detalhadas sobre seus produtos e serviços e destaque os benefícios exclusivos que sua empresa oferece para clientes.  

Neste momento, é importante investir na imagem, pois será ela que chama a atenção nas redes sociais e leva ao primeiro passo de compra, que é a entrada no perfil por parte do cliente que está navegando na rede social. Use e abuse de cores, mensagens chamativas e case a comunicação com o objetivo de seu produto. 

Uma vez feito o perfil, é hora de preparar o ambiente de compra. Utilize ferramentas de comércio eletrônico integradas às plataformas sociais para permitir que os clientes naveguem, selecionem e concluam a compra sem sair da plataforma. Inclua fotos em alta qualidade e com vários ângulos de seu produto. Se for um serviço, abuse da descrição e de imagens de “antes e depois”. O importante aqui é deixar tudo bem mastigado e muito fácil para que a decisão de compra seja sempre certeira. 

Por fim, aposte em atendimento humanizado. Caso o cliente encontre algum problema, é preciso facilitar sua experiência. Responda prontamente às perguntas e comentários dos clientes nas redes sociais, seja nos comentários e mensagens, seja no ambiente de compra. Empreendedores podem usar recursos como bate-papo ao vivo, mensagens diretas e chatbots para agilizar o atendimento. 

A Vivo Empresas tem um portfólio com diversas soluções digitais para te ajudar a levar seu negócio a um outro nível.  

Conte com nossos especialistas para começar a incluir o Social E-Commerce em seu empreendimento e alcançar novos clientes, novas vendas e alavancar o sucesso de sua ideia. 

Ah, e não deixe de conferir outros textos aqui no blog: 

. Datas não sazonais: como é possível vender o ano inteiro? 

. Consumidor 5.0: como atender às expectativas de consumo das novas gerações 

. O que é um ERP e por que sua empresa vai precisar de um 

Abraços, 

Equipe Vivo Meu Negócio! 

Foto do autor
Solicite um contato