Tecnologia no ensino: 11 ferramentas para a sua escola inovar no retorno às aulas

Foto do autor

Com escolas de todo o país retornando ao formato presencial (ou híbrido) após meses de aulas remotas, essas instituições têm um importante desafio pela frente: otimizar o envolvimento dos alunos tanto nas atividades presenciais quanto no online. 

Muito embora esse seja um grande desafio, a tecnologia no ensino pode ser uma aliada à altura para superá-lo. Não por menos, já é consenso que o uso de recursos digitais na educação passou de um diferencial a um elemento mandatório na criação de uma abordagem mais dinâmica, proativa e eficiente na docência. 

Contudo, é válido ressaltar que, assim como no período mais agudo da pandemia, as soluções tecnológicas que sustentarão esse novo formato dependem de uma gestão que saiba alinhá-las com as necessidades de cada instituição.

Nesse sentido, o primeiro passo para entender como ir além dos ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs), já em uso no ensino remoto e híbrido, é conhecer as tecnologias disponíveis, bem como o que cada uma tem a oferecer.

Assim, neste artigo, você verá exatamente quais são as soluções mais indicadas para esse novo contexto da educação e seus respectivos benefícios. Veja também:

  • Por que a tecnologia no ensino é fundamental
  • O que não pode faltar em uma operação híbrida
  • 11 ferramentas para usar agora mesmo

Por que a tecnologia no ensino é fundamental

Aluna tendo aulas em frente a um tablet
Tecnologia no ensino viabiliza novas formas não só de ensinar e aprender, mas também de gerir instituições

Os últimos meses foram desafiadores para todos, mas especialmente para as instituições de ensino. Em meio às incertezas da pandemia, as escolas se desdobraram para encontrar ferramentas e soluções tecnológicas adequadas às suas operações. 

Com base nas vivências dos últimos meses, o Consortium for School Networking (CoSN), referência em transformação digital no contexto educacional, identificou três caminhos considerados essenciais:

  • Modelo híbrido de ensino: sistemas digitais, ferramentas de colaboração, infraestrutura de conectividade e projetos pedagógicos devem ser combinados. Ou seja, atuar em conjunto para permitir experiências de aprendizagem satisfatórias, com diferentes níveis de interação. Os ambientes de colaboração online devem conter plataformas de comunicação síncrona e assíncrona;
  • Internet Wi-Fi e conectividade: são elementos essenciais nesse contexto. A democratização e o uso em larga escala permite o aprendizado sem restrições. Ou seja, trata-se de uma infraestrutura essencial;
  • Operação única: ferramentas digitais devem ser adotadas tanto nas aulas presenciais quanto nas digitais. É importante que elas apoiem a experiência do aluno, contribuindo para o engajamento nas atividades.

O que não pode faltar em uma operação híbrida

Seguir os caminhos descritos acima depende da adoção de ferramentas e soluções capazes de viabilizar e também de enriquecer a vivência dos estudantes. Listamos algumas a seguir:

Conectividade para operações flexíveis

Ainda em outubro de 2020, o Gartner destacou, em sua lista de tendências estratégicas para 2021, que, diante da nova realidade trazida pelo distanciamento social, as operações devem ser móveis e flexíveis. 

Ou seja, além da adoção do ensino híbrido, as escolas também devem se preocupar com a atuação dos seus colaboradores, permitindo o trabalho em equipe mesmo a distância. 

Isso só é possível, entretanto, com uma infraestrutura de conectividade robusta, capaz de ligar todas as pontas da operação.

É ela que permitirá, por exemplo, o uso de ferramentas de colaboração, o acesso à rede para o compartilhamento de arquivos, a adoção de plataformas para interação entre alunos e professores e o desenvolvimento de atividades em conjunto, entre outras opções.

Sendo assim, uma rede estável e veloz é o ponto de partida de toda jornada de digitalização. Trata-se de um recurso capaz de melhorar a produtividade como um todo, suportando a expansão e possibilitando a realização de novos negócios. Algumas soluções neste âmbito:

1. Planos de internet eficientes

As opções Vivo Fibra oferecem banda larga em rede de fibra ótica. Há diferentes modalidades de contratação, customizáveis de acordo com o perfil e com o porte da instituição de ensino. 

É possível, por exemplo, dispor de um IP fixo, que facilita o acesso remoto a servidores e a conexão de diversos dispositivos simultaneamente. 

Na prática, o recurso é ideal para suportar a disponibilidade de sistemas virtualizados e a colaboração de equipes – seja presencialmente ou em home office.

2. Internet Dedicada

Ao contratar esse serviço, a companhia terá à sua disposição uma conexão exclusiva. Ou seja, apenas os dados transmitidos e recebidos por meio dela trafegarão neste ambiente de rede. 

Um de seus principais benefícios é a garantia de 100% da velocidade contratada, que, inclusive, será a mesma para upload e download.

No plano oferecido pela Vivo Empresas, por exemplo, gestores ainda têm acesso a relatórios online que detalham o desempenho da conexão contratada.

3. Internet móvel

Contratar um modem portátil é um bom caminho para reforçar a conectividade de uma instituição de ensino. 

O Vivo Box possibilita justamente essa mobilidade, garantindo multiconexões com qualidade e velocidade 4.5G.

Assim, as empresas podem escolher franquias de até 100 GB e conectar até 32 dispositivos simultaneamente, como computadores, tablets e celulares. Uma das vantagens – sobretudo para os colaboradores – é a facilidade de uso. Basta plugar na tomada e começar a trabalhar.

Os planos de internet para celular também são muito importantes para instituições que têm funcionários operando em diferentes localidades ou em trânsito. 

Serviços oferecidos em planos como o Vivo Smart Empresas são contratações voltadas para celulares corporativos, também dispondo de internet 4.5G, além de ligações para todo o Brasil.

Nuvem

Nos últimos meses ficou evidente a necessidade de investir em uma estrutura robusta e resiliente de TI. E, também de acordo com o Gartner, em relatório divulgado no início de 2021, o uso de soluções de cloud computing é mandatório nesse sentido.

A abordagem permite que instituições de ensino se adaptem rapidamente em períodos de crise, uma vez que é escalável. 

Ou seja, é possível reduzir ou aumentar a sua capacidade sem investimentos extras. A seguir, exemplos do uso de recursos alocados em ambientes virtuais:

4. Microsoft 365

Os pacotes oferecidos pela Vivo Empresas são excelentes aliados para organizações que desejam migrar as cargas de trabalho para uma nuvem. Assim, obtém-se operações mais centralizadas, que permitem o acompanhamento de todas as etapas de trabalho; 

5. Vivo Plataforma Digital

Hub que reúne os principais provedores de serviços em cloud, facilitando a aquisição e a gestão de múltiplas nuvens. Tudo pode ser feito em um único lugar, o que otimiza os processos internos, sem a necessidade de grandes investimentos;

6. Vivo Construtor de Sites

Solução para criar páginas web de uma forma simples. Com um sistema intuitivo, oferece diversas opções de layouts, banco de fotos e suporte técnico.

Internet das Coisas (IoT)

Professora em sala de aula segurando tablet
Tal como alunos e professores, gestores munidos de dispositivos digitais têm acesso a mais dados e mais conhecimento

A Internet das Coisas ou, simplesmente, IoT, do termo em inglês, Internet of Things, é uma das tendências para o futuro que já vê crescimento em sua adoção mesmo no presente. 

Não por menos, em novembro de 2020, o Gartner apontou que 47% das empresas consultadas pela empresa afirmaram ter interesse em aumentar seus gastos com a tecnologia, sobretudo em razão do rápido retorno do investimento.

Nas escolas, o conceito está presente tanto nas aulas presenciais quanto virtuais, uma vez que se trata do uso de dispositivos conectados em rede.

Além de contribuir para a realização de atividades, também pode ser utilizado como fator de proteção à saúde. Isso porque câmeras e sensores conseguem monitorar, em tempo real, se o distanciamento social e o uso de máscara estão sendo cumpridos nos ambientes.

Nesse sentido, a Vivo Empresas oferece um portfólio de equipamentos de IoT composto por câmeras, alarmes, sensores conectados e soluções de telemetria, que fornecem dados e insumos para uma tomada de decisão mais acertada.


LEIA MAIS: Veja como a IoT pode ser usada nas escolas na retomada presencial


Equipamentos de tecnologia no ensino

Ter máquinas e programas atualizados é um dos pré-requisitos da produtividade. Em contrapartida, comprar computadores e tablets novos implica em gastos altos, que nem sempre estão disponíveis (sobretudo em períodos de crise). 

E foi exatamente por isso que o serviço de aluguel de equipamentos despontou durante a pandemia.

Com a contratação dos dispositivos como serviço, o custo ainda pode ser alocado em OPEX, sigla que representa as despesas operacionais. 

De acordo com o Dicionário Financeiro, trata-se de custos inerentes às despesas de rotina, ou seja, sem ativos de longo prazo envolvidos. Sendo assim, são totalmente dedutíveis no Imposto de Renda.

Para atender a essa demanda de mercado, a Vivo Empresas disponibiliza a locação de máquinas. O leque de opções disponíveis é composto por desktops, notebooks, tablets e impressoras.

Os pacotes contam com diferentes configurações, selecionadas em parceria com os principais fabricantes do mercado, como Positivo, Dell, Lenovo, Samsung e mais.

Segurança

A grande exposição digital aumenta também a vulnerabilidade dos dados que circulam pelas redes. 

Daí a importância de estruturar um plano de cibersegurança eficiente para blindar os dados e aplicações da empresa. Em abril de 2021, o Gartner apontou, inclusive, que ferramentas voltadas à proteção cibernética são imprescindíveis para suportar a jornada de digitalização das empresas.

Para apoiar a escolha das soluções mais adequadas, confira algumas soluções voltadas especificamente à proteção de dados e à segurança da informação.

9. Vivo Anti-DDoS

Utilizada para mitigar ataques DDoS (sigla de Distributed Denial of Service, que em português significa ataque distribuído de negação de serviço). A ferramenta monitora e protege a rede, evitando eventos de indisponibilidade. Por meio de um monitoramento constante, é capaz de separar o tráfego legítimo do malicioso.

10. Vivo Filtro Web (WSG)

Possibilita o bloqueio do tráfego que não atende às políticas de segurança estabelecidas. É uma forma eficiente de impor controles no perímetro da internet para a navegação, bastante útil no trabalho remoto.

11. Vivo Wi-Fi Seguro

Oferece camadas que controlam e identificam ameaças cibernéticas, além de realizar uma filtragem capaz de bloquear conteúdos adultos. Ao mesmo tempo, faz a gestão do tráfego e o controle de usuários por meio de um Portal Web em tempo real.


LEIA MAIS: Ensino híbrido veio para ficar: entenda como a sua escola pode atrair mais alunos


Conclusão

A tecnologia no ensino deve ser um dos pilares do setor, permeando as atividades online e presenciais. Isso porque diferentes recursos, como IoT e nuvem, são capazes de otimizar e expandir o aprendizado com segurança e eficiência.

De olho nesse importante movimento, a Vivo Empresas trabalha constantemente para enriquecer seu portfólio de soluções voltadas ao segmento.

Além de serviços tradicionais, como Rede Móvel, Voz Fixa e Banda Larga, também oferece soluções completas em Conectividade, Equipamentos, Cloud, Segurança, Big Data, Ferramentas de Colaboração, TI, Gestão de Tecnologia e IoT.

Quer saber mais sobre como a inovação tecnologia no ensino contribui com uma administração mais eficiente das instituições? Leia outros artigos que separamos para você:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato