Profissionais da educação e o apoio que a tecnologia oferece ao setor

Foto do autor

É inegável a relevância da tecnologia para a formação dos profissionais da educação, além de todos os que já se observaram na condição de estudante. Especialmente no Brasil, que enfrenta múltiplas dificuldades para oferecer e aprimorar o acesso ao ensino, professores e soluções digitais compõem uma aliança indispensável.

Para corroborar com essa mesma tese, a crise vivida desde 2020 foi um ponto de inflexão para o setor, fazendo-o protagonizar uma transformação tecnológica sem precedentes. 

Embora, à época, boa parte da digitalização tenha sido implementada às pressas, em caráter emergencial, a realidade atual já a compreende como parte do todo, quando se fala em educação.

Na prática, além de uma evolução que veio para ficar, trata-se de um movimento que também não arrefeceu com o passar dos meses. Assim, é diante deste cenário, em que os alunos voltam a frequentar espaços físicos, que a interação entre professores, alunos e recursos de tecnologia ganham ainda mais destaque.

Interessou? Então siga com a leitura deste artigo e confira mais sobre o apoio desempenhado pela inovação tecnológica aos agentes envolvidos no ensino no Brasil. Aproveite e veja também:

  • Importância da tecnologia na educação 
  • Profissionais da educação, crise sanitária e a transformação digital
  • Transformações que as tecnologias trouxeram para o contexto educacional
  • Como usar a inovação tecnológica em favor da educação
  • Dispositivos para aplicar a tecnologia no exercício da pedagogia
  • Cases e exemplos de escolas que usam a tecnologia

Importância da tecnologia na educação

Educador utilizando notebook com gráficos suspensos, em alusão aos profissionais da educação
e-learning education concept, learning online with webinar, video tutorial, internet lessons

A dificuldade de acesso à internet é um dos principais obstáculos para o trabalho dos profissionais da educação no Brasil. A informação parte de uma pesquisa, realizada em agosto de 2021, pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

Conforme aponta o relatório, são problemas relacionados tanto à falta da conexão, propriamente dita, como também à indisponibilidade de dispositivos para realizar os acessos. 

Isso porque, na prática, a maioria dos alunos de classes mais baixas têm apenas um aparelho celular em casa e, geralmente, o aparelho é utilizado pelos pais da criança, inclusive para trabalhar.

De acordo com a pesquisa, quase todas as redes de escolas que participaram do questionário estiveram realizando atividades não-presenciais — num total de 96% dos entrevistados.

Por sua vez, cerca de 80% deles também adota a distribuição de conteúdo por vídeos gravados para os alunos. Com isso, sobressalta a importância da tecnologia como ferramenta auxiliar ao processo educacional, permitindo que o ensino seja multiplataforma.

Profissionais da educação, crise sanitária e a transformação digital 

Além do contexto vivido desde o começo da pandemia, que acelerou a necessidade da informatização das instituições educacionais, é inquestionável que a necessidade de desenvolver habilidades relacionadas à tecnologia é cada vez maior. Tal fator, inclusive, decorre da própria demanda crescente por profissionais na área de TI.

Neste cenário, é importante que o setor da educação acompanhe essa dinâmica. Não por acaso, as soluções tecnológicas também são vistas como aliadas, no que diz respeito ao melhor aproveitamento do tempo de aula por parte dos professores.

Inclusive, uma pesquisa da McKinsey & Company, divulgada em janeiro de 2020, revelou que, atualmente, de 20 a 40% do tempo dos professores é gasto em atividades que podem ser automatizadas usando soluções já existentes.

Essas análises são relevantes porque, atualmente, professores trabalham, em média, 50 horas por semana e menos da metade deste tempo é gasto efetivamente com os alunos ou na sala de aula. 

Além disso, como a pesquisa foi feita em países onde o emprego da tecnologia de ponta já é uma realidade dentro da educação, como Canadá e Reino Unido, não é difícil inferir que, em países como o Brasil, tal diferença seja ainda maior. 

Nessa mesma pesquisa, consta que o tempo despendido para a preparação das aulas pode chegar a 11 horas semanais. Com o uso de recursos digitais, esse tempo poderia ser reduzido para 6 horas.


LEIA MAIS: EdTechs trazem novas formas de ensino para diferentes cenários do Brasil 


Vantagens internet das coisas (IoT)

Transformações que as tecnologias trouxeram para o contexto educacional

Os meios de ensinar e aprender estão mudando com o tempo, bem como com o avanço da tecnologia em escala global, tanto nos meios profissionais como nos meios pessoais. Na prática, todo esse movimento faz com que o contato generalizado com a tecnologia seja praticamente inevitável.

Atividades e aulas em forma de podcasts e vídeos já são uma realidade para os profissionais da educação. Em suma, a estratégia serve tanto para integrar o estudante com essas formas de comunicação, quanto para complementar o ensino com novos formatos de aula.

Por sua vez, a atualização do conhecimento em tempo real também é um atributo do uso da inovação. Afinal, é possível discutir uma notícia, ou informação, no momento em que o fato acontece – a aula, portanto, acompanha o que acontece no mundo.

Como usar a inovação tecnológica em favor da educação

Mesmo com tantas vantagens, é necessário, entretanto, que todos mantenham foco e atenção a certos detalhes. Um exemplo é a possibilidade maior de que o aluno se distraia durante as tarefas. 

Mais do que um ponto de atenção do profissional de educação, essa necessidade faz parte de toda uma revisão pedagógica, cada vez mais necessária em tempos de inovação, visto que não é possível se opor aos avanços.

Em relação à tecnologia, um fator gerador de algum mal-estar, é o medo de que essa substitua postos de trabalho. A boa notícia é que há pesquisas que demonstram o oposto. 

Conforme estimativa da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, divulgada em janeiro de 2022, a chegada do 5G deve inaugurar mais de 670 mil empregos até 2025. Ou seja, não só é preciso que o ensino acompanhe essa realidade, como também que forme profissionais para lidar com essas novas demandas do mercado. 


LEIA MAIS: Tecnologia 5G: entenda como essa inovação promete revolucionar o mundo dos negócios


Exemplos no apoio aos profissionais da educação

As, tecnologias digitais estão cada vez mais presentes no dia a dia da sala de aula, em seus diversos formatos. 

Da mesma forma, o acesso a pesquisas de teor acadêmico foi facilitado com a internet. Ter acesso a livros e artigos publicados em diversos idiomas, gratuitamente, é uma possibilidade para a ampliação do conhecimento e embasamento de demais estudos. 

Diversas universidades, inclusive nacionais, já possuem bancos de teses, monografias e dissertações que podem ser acessadas por qualquer um com acesso à internet. 

Adicionalmente, é possível acompanhar pesquisas desenvolvidas nas mais diversas áreas de estudo. O que pode ser útil tanto para os profissionais da educação quanto para as pesquisas dos próprios alunos.

Além disso, a Internet das Coisas, ou IoT, também já tem sido utilizada em aplicativos e plataformas educacionais, a fim de garantir maior acessibilidade aos estudantes com necessidades especiais. 

Dispositivos para aplicar a tecnologia no exercício da pedagogia

Não se pode deixar de citar que, para isso, alguns meios de tecnologia são imprescindíveis, como tablets, celulares e notebooks ou desktops. Isso porque são esses os aparelhos que permitem, em geral, a conexão principal com a internet.

Além deles, há também as lousas digitais, utilizadas já em algumas escolas para que a conexão com a internet seja passada diretamente para os alunos em sala de aula como é feita, por exemplo, a escrita normal nos antigos quadros negros.

Não é raro, inclusive, canais de cientistas brasileiros que relatam que professores usam seus vídeos para apresentar conteúdos pontuais aos alunos, de forma que toda a estrutura disponibilizada ali pelo formato audiovisual, como a edição, sons, narração, referências, etc para facilitar a compreensão do tema.

Além da vantagem de que esses conteúdos prendem muito a atenção dos espectadores. Então, por ser essencial para seu reconhecimento nas plataformas, faz com que os alunos prestem atenção ao conteúdo exposto.

No cenário nacional trazido pela Undime, entre os docentes que responderam a pesquisa, possuem e podem utilizar dispositivos tecnológicos, 90% dispõem de celular, 53% de notebook, 51% de televisão, 21% de computador desktop, 8% de rádio e 7% de tablet.

Mesmo assim, na mesma referência encontra-se o dado que 95% das redes municipais com atividades não presenciais adotam a distribuição de materiais impressos como parte das estratégias de educação a distância.

Então, apesar dos avanços e da digitalização, a pedagogia no Brasil ainda enfrenta diversos desafios, principalmente relacionados à conexão de qualidade e conectividade de municípios mais carentes. 


LEIA MAIS: Plataformas digitais na educação: a tecnologia como apoio ao ensino


Cases e exemplos de escolas que usam a tecnologia

Professor dando aula com o apoio de recursos de informática, em alusão aos profissionais da educação
Apoio da tecnologia aos profissionais da educação se dá em todas as etapas do ensino

Existem diversos exemplos espalhados pelo mundo de lugares que utilizam as mais diversas tecnologias visando aprimorar a experiência dos estudos de cada aluno. A School of One é um case poderoso de sucesso do que pode vir a ser uma de educação inovadora.

Focados na individualização do ensino, a escola que fica em Nova York, é uma iniciativa do Departamento de Educação da própria cidade. O objetivo é um acompanhamento específico do ensino de Matemática para alunos dos níveis básicos de educação.

Inicialmente, as crianças são subdivididas em pequenos grupos, de acordo com suas capacidades e habilidades prévias. Depois deste momento, existem atividades subdivididas em aula expositiva tradicional, tarefas em grupo e estudos online.

Durante todo esse período, os alunos acessam computadores pelos quais podem fazer seus exercícios e estudarem. Os professores, por sua vez, recebem relatórios diários do desempenho de cada aluno em cada uma das atividades anteriores.

Escola Municipal André Urani 

Também há exemplos nacionais onde a tecnologia se mostrou uma aliada para o ensino, como na Escola Municipal André Urani, localizada na comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro.

Na escola, usam-se lousas inteligentes e as tradicionais fileiras de carteiras foram substituídas por mesas em que os alunos se agrupam para estudarem coletivamente. Além disso, os notebooks substituem os cadernos e lápis.

Tais mudanças ocorreram em 2013, integrando o projeto Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais (Gente), que foi realizado pela Secretaria Municipal de Educação, o Ministério da Educação e a iniciativa privada.

Colégio Dante Alighieri 

O Colégio Dante Alighieri, de São Paulo, tem estreitado suas relações com a tecnologia há mais tempo, desde 2012. Por lá, os professores veem tablets, computadores e celulares como aliados no processo de ensino e valorizam, por exemplo, a capacidade do próprio aluno de pesquisar na internet os assuntos abordados em sala.

Conclusão

A tecnologia não deve ou precisa ser vista como algo fatalista que substituirá os professores e tomará seus postos, pelo contrário. A revolução digital é global, e, por isso, é inevitável que pessoas e empresas a testemunhem em todos os âmbitos do dia a dia.

O que é realmente essencial é a adequação da metodologia de ensino, para que englobe os meios tecnológicos e use as ferramentas disponíveis para aperfeiçoar a experiência educacional. Assim, é possível gerar interesse e curiosidade pelo conteúdo, além de facilitar a aplicabilidade e absorção deste.

Quando o assunto é tecnologia, a Vivo Empresas tem um portfólio completo de soluções para o setor da educação. Não por acaso, em março de 2022, a companhia e o Google For Education uniram esforços, visando o objetivo comum de acelerar e popularizar a transformação digital no ensino.

A partir da parceria, as soluções do Google For Education passam a fazer parte do portfólio, incluindo equipamentos, ferramentas e softwares para melhorar a experiência de ensino. E a Vivo Empresas, além de oferecer condições exclusivas, se encarrega de todo o suporte técnico que possa ser necessário às instituições.

Antes de ir, aproveite para conferir outras matérias:

Foto do autor
Solicite um contato