Sustentabilidade empresarial terá papel central nas estratégias para o futuro

Foto do autor

A preservação do meio ambiente e dos recursos naturais para as gerações futuras é, definitivamente, um problema de todos. É nesse contexto que vemos, cada vez mais, corporações engajadas em estratégias de sustentabilidade empresarial. 

Acima de tudo, participar desse movimento vai muito além de ser apenas altruísta ou querer salvar o planeta. Hoje em dia, as práticas sustentáveis servem como indicadores de longevidade e sucesso das organizações. 

A sustentabilidade corporativa baseia-se em três pilares: ambiental, econômico e social. Quem consegue equilibrá-los comprova ter uma visão de longo prazo, ou seja, está mais apto a enfrentar o futuro. Isso é bem-visto tanto por investidores quanto por consumidores e funcionários. 

Quer conhecer alguns exemplos? Uma companhia pode ser sustentável ao reduzir desperdícios de matéria-prima, promover o bem-estar dos funcionários, fazer parcerias com Organizações não Governamentais (ONGs) ou, até mesmo, investir em processos de gerenciamento mais inteligentes, que gastem menos energia e economizem recursos. 

Portanto, as ações sustentáveis podem ser aplicadas em diversos níveis. Todas as empresas, de qualquer tamanho ou ramo de atividade, podem participar.

Continue lendo este artigo, pois vamos abordar os seguintes assuntos: 

  • O que é sustentabilidade empresarial? 
  • Por que será determinante para o futuro das corporações?
  • O que são e quais os indicadores ESG?
  • Quais as vantagens ao assumir uma política empresarial sustentável?
  • Alguns exemplos de iniciativas sustentáveis por parte de empresas
  • Como soluções em nuvem auxiliam a política de sustentabilidade?
  • Os cuidados ao implementar uma visão mais verde do negócio

O que é sustentabilidade empresarial ?

A primeira vez que o termo “desenvolvimento sustentável” apareceu foi no ano de 1987, em um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU). No documento, ficou definido que tanto governos quanto sociedade civil e empresarial deveriam encontrar maneiras de “Suprir as necessidades do presente, mas sem comprometer os recursos para as gerações futuras”. 

Desde então, esse conceito serviu de inspiração para as companhias que estivessem dispostas a mudar suas estratégias e focar em melhorias voltadas à preservação. Um negócio é considerado sustentável quando em sua gestão há preocupação com o impacto que a própria atividade traz ao seu entorno, seja no presente ou no futuro. 

A sustentabilidade empresarial incorpora princípios de preservação e ética em todas as decisões. É preciso gerar valor para a sociedade. Em outras palavras, a corporação deve visar o lucro, mas sem prejudicar ecossistemas ou as pessoas ao redor. 

Sendo assim, o conjunto de boas práticas que compõem a sustentabilidade empresarial são abrangentes e vão desde a relação com os funcionários até chegar nas políticas de precificação. 

Dessa forma, uma empresa sustentável promove um ambiente saudável para os funcionários, respeita as leis tributárias, pratica preços justos em seus produtos, segue preceitos éticos, e assim por diante. 

Os três pilares da sustentabilidade corporativa 

A sustentabilidade já existia no campo da ecologia quando o consultor britânico John Elkington elaborou e adaptou o conceito para o ambiente corporativo. Foi em meados dos anos 1990 que ele criou o termo “Triple Bottom Line”, conhecido no Brasil como o “Tripé da Sustentabilidade”. Dessa forma, uma empresa sustentável baseia seu negócio em três pilares: econômico, social e ambiental.

Os negócios deveriam conseguir reconhecer que suas atividades têm impactos negativos, tanto para o planeta quanto para a sociedade. Além disso, seria essencial encontrar maneiras de mitigar ou compensar esse aspecto negativo. Ou seja, as corporações não podem colocar o lucro acima de tudo em suas operações.

O desenvolvimento dessa ideia deu origem a outros conceitos. Um dos mais importantes é o ESG (Environmental, Social, and Governance), algumas vezes traduzido para o português como ASG (Ambiental, Social e Governança). 

Analisaremos cada um desses critérios

Ambiental 

Este pilar trata da importância de se estudar o impacto ambiental das atividades. Isso significa, por exemplo, incentivar o uso de energia renovável, a economia de água, o controle da quantidade de resíduos gerados ou o bom uso das matérias-primas. O conceito é amplo e deve ser adaptado segundo o modelo de negócios ou a atuação que exerce. 

Social 

Um projeto socialmente responsável deve receber apoio dos colaboradores e da comunidade local. Isso significa tratar os funcionários de maneira justa, pagar salários compatíveis com nível de vida adequado, bem como se envolver em projetos sociais. 

Outro aspecto é cuidar da cadeia de fornecedores para evitar contratar ou fazer parcerias com quem não segue as boas práticas. Políticas de inclusão e equidade de gênero também são consideradas ao avaliar o critério social do ESG.

Governança 

Um negócio sustentável pode ser também lucrativo. Isso, no entanto, não quer dizer que as empresas devam buscar o lucro a qualquer custo. Quando se fala no pilar da governança, deve-se entender que os ganhos não podem sacrificar os critérios ambientais e sociais. 

A transparência das áreas financeiras e tributárias são elementos cruciais para uma boa governança, assim como práticas anticorrupção. A forma como remuneram os executivos de alto escalão também entra na conta. Bônus exorbitantes podem demonstrar que a empresa não está preocupada com a própria longevidade. 

Por que é importante investir em sustentabilidade empresarial ?

Deve ficar claro para empresas de todos os tamanhos que o futuro vai exigir o investimento em práticas sustentáveis. Isso porque, além de ajudar o mundo com os desafios globais, o tema é central para garantir o sucesso nos negócios. 

Muitos investidores, hoje em dia, usam os indicadores ESG para decidir onde colocar o dinheiro. Portanto, analisam fatores como a pegada de carbono de uma empresa, uso de água, os esforços para desenvolver a comunidade em que se encontra, além de políticas de diversidade.

Normalmente, o que se conclui é que empresas com altas classificações ESG têm um custo menor de dívida e patrimônio. Além disso, as iniciativas de sustentabilidade podem ajudar a melhorar o desempenho financeiro, ao mesmo tempo em que ganham adesão do público. A imagem da empresa perante os consumidores é algo crucial no mundo cada vez mais conectado. 

Em resumo, a sustentabilidade é uma abordagem de negócios que cria um valor a longo prazo. Ou seja, o desenvolvimento de práticas baseadas em estratégias ESG promove a longevidade da empresa.

Segundo um estudo do Fórum Econômico Mundial, de fevereiro de 2022, o impacto da pandemia de covid-19 acelerou a preocupação com o meio ambiente. Como consequência, apontou que ações relacionadas à preservação podem gerar oportunidades de negócios da ordem de US$ 10 trilhões anuais e criar 365 milhões de novos empregos até 2030. Para isso, será preciso, de acordo com a pesquisa, mais engajamento de governos, empresas e da própria sociedade. 

Quais os benefícios da sustentabilidade para sua empresa?

As vantagens ao se adotar uma prática de sustentabilidade empresarial vão muito além da beneficência. Afinal, existem inúmeros benefícios claros para os negócios. Vamos citar apenas alguns.

Atrair investidores

Como já falado, os critérios de sustentabilidade comumente são usados por investidores para decidir onde colocar o capital. Afinal, eles querem empresas que tenham uma visão de longo prazo e de acordo com regras de compliance e governança corporativa. 

Redução de custos 

Melhorar a forma como se consome energia ou a própria matéria-prima da empresa vai trazer eficiência econômica. Um exemplo é limitar o número de viagens de funcionários, dando preferência a videoconferências. Além de controlar a emissão de CO2, eliminaria esse custo em deslocamento. 

Reter os melhores talentos

As novas gerações levam em conta o fator sustentabilidade ao escolher uma empresa para trabalhar. Isso é mais comum entre os millennials e a geração Z, que serão maioria na força de trabalho do futuro. 

Fortalecer a reputação da marca

Os consumidores estão cada vez mais preocupados em saber de onde vêm os produtos que consomem e como são produzidos. Além disso, vale notar que com a popularização das redes sociais, o prestígio de empresas é sempre colocado à prova. Parcerias com ONGs, projetos sociais, programas de inclusão ou de redução da pegada de carbono ajudam a ter uma boa reputação. 

Alguns exemplos de sustentabilidade empresarial

Dessa forma, para mostrar a importância que o assunto tomou nas empresas, vamos a alguns exemplos em indústrias consideradas alvo.

A Occidental Petroleum, dos Estados Unidos, foi uma das primeiras empresas de energia a estabelecer metas para zerar as emissões de carbono nas operações. 

Já a Levi’s assumiu compromissos com a produção sustentável de jeans, incluindo a redução significativa do uso de água. Além disso, lançou uma campanha de conscientização direcionada aos consumidores para que as peças sejam aquisições de longo prazo.

Um case brasileiro é a empresa de cosméticos Natura. Desde a criação, foram desenvolvidas ações em parceria com as comunidades rurais para o manejo sustentável dos recursos usados nos produtos. 

No setor de tecnologia, a Microsoft prometeu ser zero carbono até 2030. Por sua vez, a HP se comprometeu em usar 100% de energia renovável, além de conseguir reciclar 60 milhões de garrafas plásticas com seu programa HP Planet Partners

Pensando da mesma forma, o CEO da Apple, Tim Cook, reiterou, em janeiro de 2022, a meta da empresa de remover todo o plástico de suas embalagens até 2025 e se tornar neutra em carbono até 2030

Já a Google também tem forte apelo nas questões ambientais. A gigante de tecnologia usa um programa de Machine Learning da DeepMind, que calcula o tempo ideal para operar as bombas de calor para resfriar seus data centers. Com isso, os servidores exigem 50% energia do que a maioria. 

Soluções em nuvem são aliadas da sustentabilidade 

Ao que tudo indica, empresas de TI vão ter um papel fundamental na questão climática. As tecnologias de nuvem, por exemplo, definitivamente ocupam uma posição importante nas estratégias das corporações comprometidas com o meio ambiente. 

Isso porque os aplicativos baseados em cloud gastam menos recursos de energia. Afinal, ao adotar a solução, as companhias não precisam mais ter enormes estruturas refrigeradas para manter seus servidores em temperatura ideal. 

Uma previsão do IDC, divulgada em março de 2021, indicou que a computação em nuvem pode impedir a emissão de mais de 1 bilhão de toneladas de CO2 até 2024. A perspectiva, segundo o estudo, é de que 60% dos data centers adotem práticas de sustentabilidade “mais inteligentes” nos próximos dois anos. 

Pensando nisso, a Vivo lançou o selo sustentável “EcoSmart” para soluções digitais. Inédito no mercado de telecomunicações, o selo pode ser utilizado como ferramenta para fortalecer os critérios ESG. No momento da contratação de produtos ou serviços de ferramentas de colaboração, cloud, big data ou Internet das Coisas, as empresas já ficam cientes dos benefícios ambientais que as tecnologias vão trazer para as operações. 

“Nossos serviços em nuvem utilizam servidores alojados em Data Centers que cumprem elevados padrões de eficiência energética, uma vez que a migração de empresas para a nuvem se traduz em uma redução significativa das emissões de carbono no âmbito das tecnologias da informação, favorece maior circularidade e promove produtos e serviços mais sustentáveis”, comentou Alex Salgado, vice-presidente B2B da Vivo, na ocasião do lançamento do selo. 


LEIA MAIS: Tendências para 2022: a evolução da Internet das Coisas e como ela pode beneficiar sua empresa


Estratégias de sustentabilidade exigem cautela 

Portanto, vimos que as estratégias sustentáveis são fundamentais para o futuro de qualquer empresa. E, também, que adicionar um bom propósito ao negócio não compromete os lucros, muito pelo contrário. 

No entanto, é preciso muita cautela ao mergulhar nas políticas de sustentabilidade empresarial. É necessário que seja bem planejado, envolvendo a equipe, parceiros comerciais e um bom plano de comunicação. 

Além disso, e talvez mais importante, a empresa precisa promover uma mudança sincera e não apenas greenwashing (quando o apelo ambiental se resume ao marketing e não se traduz em ações verdadeiras). Afinal, isso poderia ser fatal para a imagem da companhia. 

Dessa forma, se você não sabe por onde começar, a Vivo Empresas pode ajudar, com um portfólio de produtos que ajudam sua empresa a se inserir nos critérios ESG. Isso inclui soluções digitais baseadas em cloud, ferramentas de colaboração IoT e Big Data. Outra opção é o Vivo Eficiência Energética, que permite, dentre outras funções, controle online dos gastos com energia elétrica. 

Muitas de nossas soluções são certificadas com o selo de sustentabilidade Eco Smart. Assim, a partir da contratação de um serviço, as empresas e os clientes já sabem os benefícios ambientais que a solução vai produzir na sua operação. 

Gostou desse conteúdo? Então, continue lendo mais sobre sustentabilidade nos artigos abaixo:

Foto do autor
Solicite um contato