Movimento no feriado: como a tecnologia apoia bares e restaurantes

Foto do autor

Cada data comemorativa que se aproxima é um ótimo momento para o setor de bares e restaurantes, que costuma lucrar muito com o movimento em feriados. 

Nesse sentido, os donos dos estabelecimentos preparam as encomendas para o período de alta nos pedidos, funcionários se revezam e o cliente pode, enfim, descansar e ter um bom atendimento.

Mas para garantir que essa roda gire, é fundamental que o negócio esteja apoiado na tecnologia.

O foco dessas mudanças está, principalmente, na hora de pedir a comida e pagá-la. O uso do QR Code e tags NFC (de aproximação), por exemplo, facilitam a vida do consumidor quando ele se senta para fazer uma refeição fora de casa, algo que está voltando a acontecer após meses de isolamento.

Quer saber mais sobre como usar a inovação em momentos de pico de demanda por alimentação fora do lar? Neste artigo, portanto, você vai ver:

  • Como bares e restaurantes se preparam para o movimento no feriado
  • Inovação garante a alta demanda do delivery no feriado
  • Conheça tecnologias que apoiam o distanciamento social
  • Segurança digital em primeiro lugar

Como bares e restaurantes se preparam para o movimento no feriado

Imagem de cadeiras vazias em restaurantes
Distanciamento social mudou a dinâmica de funcionamento de bares e restaurantes, inclusive em datas especiais

A pandemia transformou o setor de bares e restaurantes. Se antes havia uma despreocupação de mesas próximas e cardápios que passavam de mão em mão, isso com certeza mudou.

Nesse cenário, o delivery acabou sendo uma importante alternativa para os empreendedores. Adicionalmente, os locais que ofereciam uma experiência presencial tiveram que adaptar um atendimento com a mesma qualidade para o online e para a casa das pessoas. 

Cuidados extras, como enviar condimentos que só o estabelecimento tem, separar os alimentos devidamente e, claro, uma entrega rápida e eficiente são algumas das principais mudanças vistas nesse ramo.

Após esse período mais crítico da crise, diversas lições foram aprendidas e transformaram os estabelecimentos de alimentação fora do lar (AFLs) permanentemente – não só nos feriados, mas todos os dias.

Em 2020, o portal Toast, especializado em soluções tecnológicas para o setor no exterior, elencou as principais novidades para esses ambientes e como elas alteram a experiência final, que são:

  • Pontos de venda sensíveis ao toque;
  • Pedir e pagar na mesa;
  • Sistema de ponto de venda móvel (maquininhas);
  • Pagamento sem contato;
  • Quiosques de autoatendimento;
  • Telas na cozinha;
  • Impressoras;
  • Soluções integradas de atendimento.

De olho nesses tópicos, é possível dividi-los em três pontos principais:

Atendimento

O consumidor gosta de ser bem atendido, mas a opção de poder agilizar a entrega em um restaurante já conhecido também ajuda a salvar tempo de exposição na saída de casa.

De acordo com o Toast, fazer um autoatendimento é rápido e intuitivo – além de ser facilmente higienizável. 

Em julho de 2020, o estudo de sucesso para bares e restaurantes mostrou que mais da metade dos clientes consultados acham de alguma maneira importante, ou extremamente importante, poder fazer o seu pedido sem a interferência de uma outra pessoa.

Ademais, essa mudança também dá mais controle ao consumidor para customizar o que quer pedir e ter tempo de revisar a escolha.

Pagamento

Após o momento de seleção do prato, são os métodos e abordagens de pagamentos que também prometem revolucionar o setor. 

De acordo com o Guia para Restaurantes durante a Covid-19, também divulgado pelo Toast em agosto de 2020, até 34% dos clientes dizem que um pagamento móvel ou por aproximação é extremamente relevante na hora de escolher um local para comer.

Da mesma forma, 33% deles também apontam a possibilidade de fechar a conta diretamente da mesa, no estilo “Pedir e Pagar”, como central para suas decisões.

Essa tecnologia permite não só deixar o consumidor mais tranquilo, como diminui os gastos com funcionários, melhora a rotatividade das mesas e, com a ajuda dos dados, permite entender melhor quem passa pelo restaurante.


LEIA MAIS: Como preparar seu negócio com a tecnologia dos novos meios de pagamento


Experiência online

Outro ponto importante no ramo da alimentação fora do lar é a experiência online. Se antes da pandemia os números de pedidos digitais já eram expressivos, agora, muitos estabelecimentos do setor migraram toda a sua força de trabalho para as operações virtuais.

Nesse sentido, o Guia para Restaurantes durante a Covid descobriu que:

  • 27% dos clientes disseram que farão mais takeouts (pegar a refeição no local e comer em casa);
  • 23% farão mais pedidos online;
  • 20% não pretendem comprar presencialmente, ao menos enquanto durar a crise.

Para o estudo, apesar da importância de serviços como o iFood, Rappi e Uber Eats, soluções próprias permitem que clientes façam o pedido direto do seu estabelecimento, seja em forma de takeout (peça e leve) ou delivery sem contato.

Inovação suporta alta demanda de movimento no feriado

Para atender o movimento no feriado, há três conceitos que precisam estar bem claros para todo empreendedor: conectividade, cloud e IoT, a Internet das Coisas (ou Internet of Things, no termo original em inglês).

Rede ágil para maior velocidade nas operações

Já falamos da importância de aplicar tecnologias nos estabelecimentos, mas é necessário que estejam atreladas ao conforto do cliente. Oferecer uma boa experiência, como Wi-Fi gratuito e rápido, é um diferencial para alavancar as vendas.

A conexão ideal depende do espaço e da quantidade de pessoas que estarão online. Porém, é preciso que o serviço seja capaz de suportar o volume de acessos em momentos de movimento mais forte.

Além disso, uma boa rede também é importante para que os frequentadores possam acessar o menu digital do restaurante e fazer seu pedido sem precisar de um cardápio físico.

Ou seja, é preciso escolher o plano de internet que melhor atenda às demandas do seu negócio. 

Inclusive, oferecer conexão gratuita é uma forma de obter dados acerca dos consumidores através de um simples cadastro. 

Com o Vivo Wi-Fi Social, o estabelecimento dispõe de uma solução que permite não só oferecer conectividade gratuita e de qualidade ao consumidor, mas que também serve de ponte para uma comunicação direta com ele.

Ademais, a partir das estatísticas de uso, é possível entender mais sobre os frequentadores do local, inclusive a respeito do seu comportamento em feriados e datas especiais.

Contudo, é preciso considerar a responsabilidade do estabelecimento no que tange a coleta, tratamento e custódia das informações, à luz do que prevê a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) em vigor no Brasil.

Cloud para otimizar a inteligência do negócio

Ao contrário do que muitos podem pensar, o serviço de computação em nuvem é um dos investimentos mais estratégicos para bares e restaurantes. 

Isso porque, a partir de uma solução versátil e escalável como essa, é possível digitalizar o negócio mais rapidamente e com menos custos, migrando boa parte das atividades burocráticas e administrativas para um ambiente online.

Não por menos, de acordo com a pesquisa Cloud 2025 da LogicMonitor, realizada entre maio e junho de 2020, com 500 entrevistados, 87% dos profissionais de TI acreditam que é necessário acelerar a migração para essa nova tecnologia.

Esse espaço virtual é um local hospedado em nuvem para armazenar dados e garantir fluidez no site do estabelecimento. 

Ademais, uma vez que o negócio esteja ‘cloudificado’, é possível administrá-lo à distância, ou mesmo centralizar informações de mais de uma unidade em um único lugar.

Tudo isso sem contar que existe, ainda, a possibilidade de hospedar o site em nuvem, o que traz mais estabilidade em momentos de pico de acesso, como é comum em determinados feriados.


LEIA MAIS: Food Service: conheça as tendências e tecnologias para esse mercado


IoT para eficiência e distanciamento social

Conforme citado anteriormente, a tecnologia IoT (Internet das Coisas) é outra que alternativa interessante para os comerciantes. 

Em outubro de 2020, o Gartner, por exemplo, divulgou um estudo em que prevê um aumento de 47% nos investimentos globais em IoT. Muito além do que a maioria imagina, no entanto, tal aposta na Internet das Coisas não parte apenas da indústria ou de grandes corporações.

No mesmo sentido, estimativas publicadas pela IDC em julho de 2020 mostram que, em 2025, serão 55,7 bilhões de dispositivos conectados. Da mesma forma, pode-se aproveitar a inovação para momentos de pico de movimento em bares e restaurantes.

Com sensores, câmeras, celulares e tablets, é fácil mapear o que acontece dentro do estabelecimento, permitindo desde um atendimento mais eficiente a garantir segurança ao local. Alguns exemplos de uso são:

  • Cardápio na ponta dos dedos: menu nos smartphones, acessados por meio de QR Code, agilizam pedidos e otimizam o trabalho dos garçons, que podem focar na entrega dos pedidos;
  • Controle de estoque: com os pedidos digitalizados, é fácil realizar o cruzamento de dados e automatizar o controle do estoque. Ou seja, isso evita que se fique sem algum item essencial ou até mesmo que fique sobrando, otimizando esse controle para gerenciar melhor durante o movimento do feriado;
  • Monitoramento do espaço: ter mesas mapeadas facilita a alocação de clientes de forma confortável e segura. Em tempos de distanciamento, você consegue diminuir filas e aglomerações, identificando se a disposição do salão está boa.

Segurança digital em primeiro lugar

Pessoa recebendo comida por delivery
Delivery deve continuar sendo forte aliado de bares e restaurantes mesmo após a crise sanitária

Com o estabelecimento devidamente conectado a partir de um bom acesso à rede, além da solução cloud ideal e com dispositivos que utilizam a tecnologia de Internet das Coisas, é importante ficar de olho também na segurança da informação.

Como muitos negócios continuam com trabalho remoto – e muito do administrativo de bares e restaurantes pode ser feito à distância – é necessário tomar cuidado.

Segundo dados divulgados pela revista veja em abril de 2021, os ataques cibernéticos protagonizaram uma alta de 400% durante a pandemia. Na mesma toada, as ações mal-intencionadas contra empresas no mundo todo cresceram 148% no período.

Neste cenário, é fundamental aplicar uma camada extra de proteção. Com o Vivo Wi-Fi Seguro, por exemplo, é possível oferecer ao funcionário todas as ferramentas para ele trabalhar sem cair em golpes.


LEIA MAIS:  Por que bares e restaurantes manterão atendimento online no pós-crise


Conclusão

Como visto no artigo, a inovação tecnológica consegue apoiar de diversas maneiras os bares e restaurantes durante um maior movimento no feriado. 

Afinal, quando utilizada de forma inteligente, essas ferramentas podem ser fortes aliadas para acelerar negócios nos mais diversos setores.

Isso porque dispositivos IoT e aplicações em cloud trazem agilidade, produtividade e eficiência para que os estabelecimentos comerciais consigam se destacar frente aos concorrentes.

Líder no fornecimento de tecnologia para os mais diversos setores, a Vivo Empresas está ciente desse potencial. 

Não por menos, tem apoiado a digitalização de bares e restaurantes com um amplo portfólio, composto por serviços desenvolvidos especialmente para auxiliar a evolução de pequenos a grandes negócios do setor.

Assim, além de trabalhar como parceiro tecnológico na implementação de soluções digitais completas de conectividade e serviços tradicionais, como Rede Móvel, Voz Fixa e Banda Larga. 

Ainda oferece aluguel de equipamentos de microinformática, Cloud, Segurança da Informação, IoT, Big Data, Ferramentas de Colaboração, TI e Gestão de Tecnologia. 

Quer saber mais como preparar o seu estabelecimento para os picos de movimento no feriado? Confira estes conteúdos que separamos para você:

Até a próxima!

Foto do autor
Solicite um contato